Comerciantes do Jd. São João protestam contra fechamento das lojas

Foto: Marcela Vasconcelos/Guarulhos Online

O ato reuniu 80 pessoas por volta das 13h e ocupou parte da Estrada Guarulhos Nazaré, principal via da região

Comerciantes do São João fizeram na tarde desta quinta-feira (25) uma manifestação contra o fechamento do comércio. Cerca de 240 pessoas se articulam em grupo de Whatsapp para cobrar medidas mais efetivas de contenção da pandemia que descarte o fechamento total das lojas.

De acordo com os entrevistados pela reportagem do Guarulhos Online, impedir que os comerciantes atuem agrava a crise financeira de diversos setores não essenciais. Outras reclamações são as demissões, perda de faturamento e estoque parado.

Na opinião dos proprietários, a fiscalização tem que atuar de forma mais eficiente para garantir o cumprimento das medidas de assepsia, distanciamento e uso de máscara. Ao contrário disso, as autoridades deixaram de orientar clientes e funcionários e passaram a cobrar multa por descumprimento das regras do Plano São Paulo.

Todo estado está na fase emergencial até a próxima quarta-feira, 30 de março, neste período, somente serviços essenciais, como mercados, lotéricas e assistências técnicas podem funcionar. Já lojas de roupas, calçados, acessórios e perfumarias devem ficar fechados.

Dora Sampaio, dona de uma loja de roupas e calçados há 20 anos na região fechou uma das cinco lojas que tem e reclamou por ter que dispensar 19 dos 30 funcionários. As vendas online para ela, não suprem a mesma demanda de clientes frequentando o interior das lojas.

Sem isenção fiscal e com toda família inserida no comércio há mais de 30 anos, um dos manifestantes, que preferiu não se identificar revelou que continua arcando com as mesmas despesas e sem nenhum tipo de auxílio governamental.

Sem condições de pagar os custos operacionais, salários e a manutenção do comércio, os proprietários temem as multas. O comerciante Luiz, apontou que cada comércio é responsável pelo sustento de 3 a 5 famílias, que entende a real gravidade da pandemia, mas não é o comércio o responsável pelo alto nível de contaminações da Covid-19.

O protesto contou com pelo manos 4 viaturas da polícia militar e com a participação dos motoristas que buzinavam ao passar pelo ponto de concentração ao lado da tradicional feira livre do bairro. No entorno, diversas lojas de diversos setores estavam com portas fechadas.

Foto: Marcela Vasconcelos/Guarulhos Online

*Atualizado às 15h10 de 26/03