Diretor jurídico volta afirmar que Proguaru deve R$ 200 milhões em impostos

Foto: Michel Wakin/Guarulhos Online

Luciano Pinto não soube informar porém, o valor dos ativos da Proguaru, ou seja os recursos próprios que em tese, poderiam liquidar as dívidas e reestruturar o eixo financeiro

Depois da interrupção por falta de energia na última terça (25) a sessão da Comissão Especial de Estudos (CEE) sobre a Proguaru recebeu pela segunda vez, o diretor jurídico da empresa, Luciano Pinto nesta terça (01) em reunião na Câmara de Guarulhos.

O advogado voltou a afirmar que a dívida de impostos da Proguaru passa de R$ 200 milhões e se arrasta desde a gestão do ex prefeito Sebastião Almeida. Entretanto, a informação foi confrontada pela Presidente da Comissão, Vereador Edmilson Souza (PSOL) que apontou que os valores não constam nos relatórios enviados pela empresa.

O mesmo valor porém, foi apresentado por Pinto como custo da Proguaru aos cofres da Prefeitura de Guarulhos. O gerente, no entanto, não se posicionou ao ser questionado se acredita que estudo da Fipe encomendado pela Prefeitura vai salvar a empresa do fechamento.

Ao término das audições dos convocados a CEE, a comissão terá a missão de produzir um relatório final que será executado pelo relator vereador André Alves (Cidadania) em que constará as informações colidas ao longo das sessões.

Há duas semanas, em 18 de maio a CEE ouviu representantes da Comissão dos Trabalhadores em Defesa da Proguaru que entregou um abaixo-assinado com 30 mil assinaturas contra a extinção da empresa no fim do ano aos vereadores.

O estudo que está sendo feito pela empresa Fipe também deve compor os documentos sobre a real situação da Proguaru e se é possível a empresa continuar operando. Na próxima terça (08) a previsão é de que o convocado seja o gerente financeiro, Ricardo Bortoleto.