Guarulhos realiza I Encontro em Defesa da Saúde da Mulher

Assunto:1º Encontro em Defesa da Saúde da Mulher Local: Faculdade Anhanguera - Rua do Rosário, 300 - Macedo Data: 20.11.2019 Foto: Fabio Nunes Teixeira

Na sexta-feira (22) representantes do Ministério Público de São Paulo e das secretarias municipais de Saúde e de Políticas para Mulheres, além do Sebrae-SP, se reuniram na Faculdade Anhanguera para o I Encontro em Defesa da Saúde da Mulher,que reuniu agentes comunitárias de saúde (ACS) das regiões atuantes no projeto Prevenção da Violência Doméstica com a Estratégia de Saúde da Família (PVDESF) para discutir o enfrentamento da violência doméstica através da atuação intersecretarial, multidisciplinar e em rede.

O projeto, instituído no município pela lei 7.600/2017, tem uma cartilha como um dos instrumentos das atividades que propõe, a partir da conscientização e capacitação de ACS e outros profissionais da saúde, transmitir informações que possam contribuir para a prevenção da ocorrência ou do agravo da violência doméstica e familiar contra as mulheres. Para isso, desde março, foram realizados seis encontros para formação de 193 ACS de 13 Unidades Básicas de Saúde e cerca de outros 50 profissionais da área.

No evento estiveram presentes a promotora de Justiça Fabíola Sucasas Negrão Covas, a assessora do Centro de Apoio Operacional Cível e de Tutela Coletiva do Ministério Público de São Paulo e coordenadora do PVDESF, a divisão técnica da Rede de Urgência e Emergência do Departamento de Assistência  Integral à Saúde, Magda Oliveira, a subsecretária de Políticas para Mulheres, Vera Lúcia Evangelista de Souza, e a delegada de polícia Luciana dos Anjos, da Delegacia de Defesa da Mulher de Guarulhos.

Na ocasião, representantes de cada uma das 13 UBS (Pimentas, Marcos Freire, Jacy, Cabuçu, Álamo, Bambi, Água Azul, Recreio São Jorge, Novo Recreio, Cumbica, Soimco, Cummins e Nova Bonsucesso) apresentaram as estratégias desenvolvidas para a discussão e entrega das 42 mil cartilhas para as usuárias das unidades e moradoras de suas respectivas regiões. Muitas aproveitaram os grupos existentes nas próprias unidades e realizaram ações extramuros. Não economizaram criatividade. Até versão de música e peça de teatro algumas delas desenvolveram, além de vídeos educativos.

A cartilha de 40 páginas aborda temas como gênero, ciclo e fases da violência doméstica, tipos de violência, teste para saber se está em situação de risco, medidas protetivas e rede de atendimento às mulheres. A promotora Fabíola Sucasas reforçou que o papel dos agentes comunitários de saúde não é se tornarem heróis e heroínas e salvarem as mulheres da violência doméstica, mas sim encorajá-las para que sejam heroínas de suas próprias vidas.

O projeto continua. Por isso os profissionais das UBS também apresentaram as estratégias para 2020. Para inspirá-los, o Sebrae-SP apresentou o programa 1.000 Mulheres Construindo Negócios de Impacto Social, que visa  a transformar a vida de mulheres que estão em situação de vulnerabilidade social a partir do empreendedorismo. Além disso, Ana Nery Correia Lima, coordenadora da ONG Plan International Brasil, que trabalha pela promoção dos direitos de crianças e jovens e igualdade para meninas, deixou sua contribuição ao discorrer sobre o casamento infantil, tema também abordado na cartilha, e exibir o documentário Menina Noiva, da 99 Produções, disponibilizado no canal da ONG.

Enquanto Magda finalizou afirmando que a violência doméstica e familiar contra as mulheres é um problema de saúde pública, o qual é necessário enfrentar, Fabíola encerrou o evento com a frase de Malala Yousafzaipic: “Quando o mundo inteiro está em silêncio, até mesmo uma só voz se torna poderosa”.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: PMG
Foto: Fabio Nunes Teixeira