HMU deve ter nova OS na administração, segundo Secretario-adjunto da Saúde

Foto: Michel Wakin/Guarulhos Online

Michael Rodrigues disse à Câmara que o Executivo está estruturando um novo chamamento público para selecionar outra instituição que irá gerir o hospital

Em audiência pública para discutir a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), a Secretaria da Saúde apresentou nesta terça-feira (8) sua previsão financeira para o próximo ano. A audiência foi presidida pelo vereador Geraldo Celestino (PSC).

O secretário da pasta, Ricardo Rui que foi nomeado no mês passado, não compareceu, no lugar dele o secretário-adjunto, Michael Rodrigues e ainda, o diretor financeiro Wonderson Moreno, ambos preveem um orçamento total de R$ 1,46 milhões para 2022.

Desse montante, cerca de R$ 790 milhões são provenientes do tesouro municipal e R$ 255 milhões de recursos vinculados. Os valores são destinados à empregados em pessoal e encargos sociais, materiais de consumo, serviços de pessoas jurídicas e pessoas físicas e investimentos.

Os representantes da Prefeitura explicaram os repasses são feitos após os programas serem confirmados depois da aprovação do Plano Plurianual. Este deverá ser enviado para a análise da Câmara em agosto, mas que essas informações serão especificadas na Lei Orçamentária Anual.

Diante dos questionamentos, Michael Rodrigues explicou, de maneira geral, que o orçamento deverá ser aplicado em cinco blocos principais voltados para: atenção básica, média e alta complexidade, vigilância em saúde, assistência farmacêutica e gestão do Sistema Único de Saúde (SUS).

Em relação ao Hospital Pimentas, os funcionários da pasta afirmaram que o valor repassado é de R$ 6,9 milhões por mês ao IDGT (Instituto de Desenvolvimento de Gestão, Tecnologia e Pesquisa em Saúde e Assistência Social).

Sobre os problemas apontados no Hospital Municipal de Urgências (HMU), Rodrigues afirmou que são feitas fiscalizações periódicas na unidade e que o Executivo está estruturando um novo chamamento público, a ser publicado em breve, para selecionar outra instituição para gerir o local.

Para recursos específicos de combate ao coronavírus, o secretário-adjunto salientou que não é possível fazer uma projeção. “Nós não sabemos como estará a situação da pandemia no ano que vem, até o final do ano esperamos estar com toda a população vacinada”, disse Rodrigues.