Novo prédio do Conservatório Municipal deve ser no Jardim Uirapuru

Imagem: Reprodução/Google

Prefeitura avalia construir sede própria em terreno com cerca de 250 mil m² para abrigar o polo artístico e cultural

A Secretaria de Cultura realizou na tarde desta quarta-feira (27) vistoria em terreno da Prefeitura localizado no Jardim Uirapuru. O objetivo é a elaboração de um projeto arquitetônico para receber as futuras instalações e sede do Conservatório Municipal de Guarulhos (CMG).

A ação, acompanhada pelo secretário de Cultura, Professor Jesus, pelo diretor de Atividades Culturais, Cesar Samsoniuk, e pelo diretor do Conservatório, Emiliano Patarra, integra o Eixo II do Plano Municipal de Cultura, que versa sobre a ampliação, integração e desenvolvimento da infraestrutura cultural.

“A construção de uma sede própria para o conservatório dialoga com um projeto audacioso, que, além de comemorar os 60 anos da instituição, se caracteriza como uma ação de longo prazo, que congrega forças para transformar o conceito cultural da cidade, descentralizando atividades que ocorrem nas regiões centrais e criando polos artísticos em diferentes regiões”, enfatiza Professor Jesus.

De acordo com o secretário, a iniciativa também exige mudanças logísticas para melhorar a rede de transporte da região, o que deve impactar positivamente a vida dos moradores do entorno, bem como dos alunos que frequentam os cursos de música do conservatório.

Segundo a Prefeitura, o terreno tem cerca de 250 mil m² e vai abrigar o polo artístico e cultural. Além de salas acusticamente apropriadas para as aulas de música, o local contará ainda com a Sala Guarulhos, com capacidade para receber espetáculos e grandes produções, e espaço para as atividades ligadas às áreas de dança, teatro e circo da Escola Viva de Artes.

“O ganho cultural para a cidade é imenso, pois teremos espaço suficiente para mesclar a realização de atividades que combinem diferentes linguagens artísticas, como música e dança, música e circo, música e teatro, música e artes visuais, entre outras”, observa Patarra.