Rodoanel Norte deve ser entregue somente em 2022 sem acesso à Guarulhos


O Governo do Estado de São Paulo por meio do Departamento de Estrada e Rodagem (DER) realizou na tarde de ontem (9) uma audiência Pública para apresentar o projeto de retomada do Rodoanel Norte. A obra foi paralisada em 2018 por suspeita de irregularidades nos contratos e acusações de superfaturamento.

O único trecho a ser concluído está com canteiros abandonados e lotes inacabados que cortam boa parte da cidade sobretudo a região da área de proteção ambiental Cabuçu-Tanque Grande (APA).

O objetivo, segundo o governo é o mesmo desde a construção inicial do Rodoanel há 20 anos, desafogar o trânsito de caminhões nas marginais Tietê e Pinheiros e interligar a região metropolitana com acesso às principais rodovias ao Porto de Santos.

O custo para a conclusão dos lotes do trecho norte é em torno de 2 bilhões, o governo não detalhou como a obra será custeada. O trecho entre Perus na zona norte de São Paulo e Arujá, cortando Guarulhos tem 44 km e previsão de entrega final em 2022.

Falhas apontadas pelo IPT

Um laudo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) divulgado no mês passado apontou 1291 falhas na execução da obra, mas de acordo com Milton Persoli Secretário Executivo da Secretária de Logística e Transportes “As anomalias apontadas não comprometem o andamento da obra, os problemas serão facilmente corrigidos”.

Foto: Marcela Vasconcelos (Guarulhos Online)

O Vereador Edmilson Souza (PT) ressaltou que o acesso à Guarulhos foi discutido de forma superficial “É mais uma obra que vai segregar a cidade sem ação visível de preservação e manutenção facilitando debaixo desse viaduto a ocupação desordenada do solo”.

De acordo com a Vereadora Janete Pietá há uma grande preocupação quanto a separação entre bairros que receberão o Rodoanel “Seródio e Veloso ficarão ilhados e nós queremos discutir esse impacto’’.

Foto: Marcela Vasconcelos (Guarulhos Online)

O Deputado Federal Alencar Santana (PT) protocolou um documento apresentando os impactos socioambientais que atingem os bairros do Jardim São João e contemplam o acesso e travessia do trecho norte.

O ex-prefeito Elói Pietá cotado a candidatura pelo (PT) nas próximas eleições municipais declarou “O governo do Estado diz que vai deixar em aberto o acesso até o Aeroporto, mas, não o fará, a Prefeitura do Município terá que arcar com esse custo. Seria uma mínima compensação à cidade”.

Foto: Marcela Vasconcelos (Guarulhos Online)

O militante Jefferson Silva do Núcleo de Estudos Urbanos (NEU) enfatizou a falta de posicionamento no evento sobre os indígenas que ocupam a área que será cortada pela obra. Ele apontou como superficial as respostas sobre a compensação ambiental de espécies nativas, “Não contemplarão a região tão pouco à cidade”.

Foto: Marcela Vasconcelos (Guarulhos Online)

Biólogo e morador do Cabuçu, Ericson Ferreira, reclamou do tratamento que recebeu no início da sessão que estava lotada. Ele diz que foi levado à uma sala para assistir de um telão a audiência pública. Só depois de reclamar, foi conduzido ao auditório principal. “A comunidade local sofre com os métodos das obras até hoje, o solo cedeu e atingiu rios e córregos que foram assoreados causando enchentes na região”.

Integrante da ONG Chico Mendes, Daniele enfatiza a degradação da área que integra a Serra da Cantareira e não são levados em consideração “Essa é uma área sensível e essencial para manutenção de uma região com espécies nativas de fauna e flora. O Rodoanel vai passar por Guarulhos mas, não é para Guarulhos, a cidade ficou com os problemas como Depósito de Material Excedente (DME) onde existiam nascentes de rios, novamente uma obra à serviço do Aeroporto”.

Foto: Marcela Vasconcelos (Guarulhos Online)

Questionados sobre o método da audiência pública em que as quase 100 perguntas foram feitas por escrito, a mesa diretora do evento justificou a iniciativa a fim de manter a logística e organização do processo. O edital do trecho norte do Rodoanel Mário Covas será publicado dia 31 de março e planejamento atual não contempla novas audiências públicas nos municípios afetados.