O perfil do turista brasileiro pós pandemia

Foto: Divulgação

Brasileiros de todas as idades e faixas de renda amam viajar. O ato é uma prioridade para muitos, e 80% deles sentem-se mais felizes quando estão viajando. Os mais confiantes já até frequentam praias e cidades do interior, mesmo nessa fase de pandemia na qual estamos passando, afinal, uma viagem serve também para relaxar e descansar, itens primordiais para nossa saúde mental.

Dados de uma pesquisa de iniciativa do Panrotas com a Mapie, e realizada pela Travel Lab em parceria com a Elo, provou que os brasileiros estão prontos para viajar, porém com algumas mudanças em seus perfis comportamentais pós pandemia.

Ao contrário do que se via antes de março de 2020, houve um aumento na tendência do viajante de lazer brasileiro em valorizar os destinos locais, principalmente as praias, seguido de cidades e rotas do interior. Estar em contato com a natureza, ao ar livre, neste momento de isolamento social, passou a ser prioridade para os viajantes.

Sua maior motivação no momento da compra vem de uma boa promoção encontrada online, normalmente quando já estão com a intenção de viajar, e também pelas histórias contadas por amigos, parentes ou conhecidos. Quem nunca decidiu ir para um destino que não havia pensado anteriormente, por relatos de conhecidos, que levante a mão.

O isolamento e o home office fizeram com que as horas no smartphone também aumentassem, e consequentemente, o processo de compra online de viagens, sendo que 54,18% dos entrevistados efetuam as reservas diretamente com os fornecedores, e 69,92% utilizam sites para a reserva antecipada, incluindo hotel e aéreo.

Mas será que houve mais mudança no perfil comportamental dos brasileiros durante essa pandemia? De acordo com a pesquisa, a maioria tem a intenção de ser mais cuidadoso e rígido inclusive em relação à higiene do local onde se hospedarão e dos demais envolvidos no setor turístico, como restaurantes, atrações, entre outros.

Para melhor avaliação desses itens, o Ministério do Turismo criou em setembro/2020 o selo TURISMO RESPONSÁVEL, com uma série de regras que devem ser seguidas pelos fornecedores, sejam eles meios de hospedagem, transporte, restaurantes ou atrações, inclusive o próprio turista também pode ser um TURISTA RESPONSÁVEL.

Ser um turista responsável faz parte desse perfil pós pandemia, incluindo não viajar se estiver doente ou com sintomas do Covid-19, utilizar a máscara em todos os ambientes públicos e/ou compartilhados, lavar as mãos, utilizar-se de álcool em gel, utilizar os serviços disponibilizados, como check in online, pagamento com antecedência, ter o menor contato possível com os funcionários do estabelecimento e, claro, ligar 136 para denúncias de estabelecimentos não cumpridores de seus deveres.

Devemos, mais do que nunca, prestar atenção na transparência e autenticidade dos fornecedores contratados e sermos conscientes do nosso papel em meio ao novo turismo.

Rebeca Godoy é especialista em turismo, formada em Hotelaria pela Universidade Anhembi Morumbi, com MBA em Marketing pela Business School São Paulo. Concentrando seus trabalhos na área de prestação de serviços, direcionou-se ao mundo do turismo pela sua paixão em viajar. Aos 23 anos, fez uma especialização na University of Central Florida, onde trabalhou na Disney. Hoje, aplica seus conhecimentos e experiência nas consultorias aos seus clientes. Vivendo em Santiago do Chile, quer viajar o mundo escrevendo sobre turismo, e ajudando outras pessoas a viajarem Brasil e mundo afora.