Quais síndromes podem ocasionar pessoas que tiveram Covid-19?

Foto: Silvio Avila/AFP

Desde de sua descoberta no ano passado, estudos e mais estudos são publicados com novidades sobre o que o novo coronavírus pode causar para os seres humanos. Muito se falou até agora, sobre os sintomas iniciais que são listados pelo Ministério da Saúde como: 

  • Febre, tosse seca, cansaço (mais comuns);
  • Perdas de olfato e ou paladar, dor de cabeça e dor de garganta (menos comuns). 

E agora, vemos a “Síndrome pós Covid-19” termo usado para descrever os sintomas que persistem mesmo com as pessoas curadas. A demonstração pode acontecer depois da confirmação dos exames com resultado negativo para a doença.

Apesar disso, especialistas ainda não conseguem explicar o que acontece durante a infecção para que esses sintomas tenham duração no pós cura. Ainda sim, os estudos mostraram que as pessoas com a forma mais grave da doença estão mais propícias ao quadro.

Entretanto, já há registros deste cenário em pacientes que tiveram sintomas leves da Covid-19 e não precisaram de internação. O compilados de sintomas encontrados no pós são esses: 

  • Cansaço a pequenos esforços;
  • Tosse seca ou não;
  • Nariz congestionado;
  • Sensação de falta de ar;
  • Perda do paladar ou olfato;
  • Dor de cabeça e muscular;
  • Diarreia e dor abdominal;
  • Confusão mental.

São sintomas que surgiram durante o auge da infecção e permaneceram ou chegaram a durar cerca de 6 meses. Sem uma explicação do porque deste fenômeno, a suspeita é de que as lesões causadas pelo vírus atinjam várias partes do organismo.

Ela estaria somada a descarga de citocinas expelidas pelo corpo para combater o vírus. A síndrome deve ser relatada e acompanhada pelo médico de confiança do paciente, pois ao mínimo sinal de agravo há que seja feita intervenção.

A iniciativa possibilita antecipar o tratamento dos sintomas verbalizados, já que todos os exames demostraram normalidade. A esperança é que conforme os estudos vão evoluindo, as chances de se descobrir respostas mais concretas estejam mais perto.

Marcela Oliveira é enfermeira especialista em gestão de pessoas com experiência em processos de enfermagem na coleta de exames laboratoriais na empresa DASA. Foi da equipe de enfermagem assistencial no Hospital Albert Einstein e coordenadora de enfermagem nas empresas Dr. Consulta e Unimed Guarulhos.