Anvisa autoriza testes da vacina do paulista contra o coronavírus

Foto: Erasmo Salomao/Ministério da Saúde

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o Instituto Butantan a iniciar os testes da vacina contra o Coronavírus. A fase III dos ensaios clínicos será para testar a eficácia e a segurança sob a Covid-19.

Se a vacina for efetiva, o Instituto Butantan vai receber da Sinovac empresa farmacêutica chinesa, até o fim do ano, 60 milhões de doses para distribuição. A parceria se dá entre as duas instituições em todas as fases dos testes.

Os testes serão realizados em nove mil voluntários em 12 centros de pesquisas de seis Estados brasileiros: São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná. A convocação dos participantes voluntários está programada para começar neste mês após a aprovação ética ser obtida em cada local clínico.

Os voluntários serão profissionais de saúde que trabalham no atendimento a pacientes com a doença. As inscrições começam na próxima segunda-feira (13) e o processo de testagem será iniciado em 20 de julho.

Os profissionais de saúde não podem ter sido infectados pelo coronavírus, não devem participar de outros estudos e não podem estar grávidas ou planejarem uma gravidez nos próximos três meses.

Outra restrição é à quem tenha doenças instáveis ou que precisem de medicações que alterem a resposta imune. O Instituto Butantan está adaptando uma fábrica para a produção da vacina. A capacidade de produção é de até 100 milhões de doses.

Na capital paulista foram selecionados o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, Instituto de Infectologia Emílio Ribas e Hospital Israelita Albert Einstein.

Ainda no estado de São Paulo participarão a Universidade Municipal de São Caetano do Sul, Hospital das Clínicas da Unicamp (Campinas), Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto e o Centro de Saúde Escola da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto.

As pesquisas serão realizadas, ainda, na Universidade de Brasília (UnB), Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no Rio de Janeiro, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Fármacos da Universidade Federal de Minas Gerais, Hospital São Lucas da PUC do Rio Grande do Sul e Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná.