Bolsonaro abre guerra contra a Globo que responde ao presidente com nota oficial


Tão logo acabou o Jornal Nacional, da TV Globo, que levou ao ar uma reportagem revelando que os acusados de matar a vereadora Marielle Franco estiveram em seu condomínio, no Rio de Janeiro, no dia do crime, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez uma “live” via Facebook, diretamente da Arábia Saudita – onde eram quase 4h da madrugada –, e, muito exaltado, abriu guerra contra a emissora. Acusou a rede de fazer um “jornalismo podre e canalha”. Sobrou também para o governador do RJ, Wilson Witzel (PSC), que, segundo o presidente, teria vazado o processo sobre o assassinato para a TV Globo.

Bolsonaro ressaltou que jamais poderia estar na sua casa no condomínio, uma vez que estava em Brasília participando de sessões da Câmara – à época, era deputado federal.

Segundo ele, o porteiro do condomínio, que, de acordo com a reportagem, teria dito que um dos envolvidos no caso, o ex-policial militar Elcio Queiroz, teria anunciado na portaria que iria à casa 58, de propriedade de Bolsonaro, mas acabou indo para a de Ronnie Lessa, outro envolvido, teria sido forçado a dar esta declaração ou não leu o processo. “Ou ele mentiu ou o induziram a um falso testemunho”, disse o presidente.

O presidente acusou diretamente o governador Witzel de ter vazado o processo conduzido pela Polícia Civil, que corre em sigilo, para a Globo. A intenção de Witzel, segundo Bolsonaro, é destruí-lo e, assim, ficar sem um concorrente de peso nas eleições presidenciais de 2022.

Witzel traidor
Na live, o presidente mandou recados duros ao governador: “O senhor só se elegeu governador porque ficou o tempo todo colado com meu filho.”, disse, para depois ressaltar que a família Bolsonaro foi traída por Witzel.

Mas a metralhadora foi apontada mesmo para a Globo, a quem o presidente ameaçou de não renovar a concessão em 2022. “O tempo todos vocês infernizam a minha vida, porra”, berrou.

A Globo divulgou uma nota em resposta às ofensas de Jair Bolsonaro

 

“A Globo não fez patifaria nem canalhice. Fez, como sempre, jornalismo com seriedade e responsabilidade. Revelou a existência do depoimento do porteiro e das afirmações que ele fez. Mas ressaltou, com ênfase e por apuração própria, que as informações do porteiro se chocavam com um fato: a presença do então deputado Jair Bolsonaro em Brasília, naquele dia, com dois registros na lista de presença em votações.

O depoimento do porteiro, com ou sem contradição, é importante, porque diz respeito a um fato que ocorreu com um dos principais acusados, no dia do crime. Além disso, a mera citação do nome do presidente leva o Supremo Tribunal Federal a analisar a situação.

A Globo lamenta que o presidente revele não conhecer a missão do jornalismo de qualidade e use termos injustos para insultar aqueles que não fazem outra coisa senão informar com precisão o público brasileiro. Sobre a afirmação de que, em 2022, não perseguirá a Globo, mas só renovará a sua concessão se o processo estiver, nas palavras dele, enxuto, a Globo afirma que não poderia esperar dele outra atitude. Há 54 anos, a emissora jamais deixou de cumprir as suas obrigações.”

 

 

 

 

 

 

*Com informações do Metrópoles e portal G1
Foto: Reprodução/Internet