Coronavírus: Tudo que você precisa saber para não entrar em pânico

0
2
Foto: Agência Reuters

O especialista em imunologia, pesquisador e Doutor pela USP, Wesley Luzetti Fotoran, que desenvolveu um método que aumenta a eficácia de remédios e vacinas, esclarece nesta entrevista pontos fundamentais sobre o novo Coronavírus e faz alertas importantes da doença que tem assustado o mundo.

QUAIS AS RECOMENDAÇÕES PARA OS PASSAGEIROS QUE CHEGAM E PARTEM DO BRASIL PELO PRINCIPAL AEROPORTO DO PAÍS QUE ESTÁ AQUI NA CIDADE?

De um modo geral tomar as mesmas precauções que se tem para gripe. Que seriam sempre espirar ou tossir no próprio braço dobrado. Lavar as mãos e o rosto (em especial as entradas aéreas como boca e nariz) com frequência para evitar contaminações.

No caso de estar em contato com alguém sabidamente com o vírus, usar máscara. É desnecessário, e só faz aumentar o pânico, usar máscaras em ambientes abertos.
Aconselha-se evitar multidões e feiras típicas que possuam animais de comércio, como aves, porcos e outros animais silvestres.

AS VACINAS DE GRIPE QUE TEMOS DISPONÍVEIS AMENIZAM OS IMPACTOS DO CORONA NO CORPO?

Uma vez infectado é pouco provável, porém imunizações anteriores podem prover proteção contra a infecção. Quando se toma uma vacina o seu corpo produz anticorpos contra o vírus, bactéria ou patógeno utilizado.

Mesmo que você tenha sido vacinado contra o vírus da gripe e não contra o coronavírus ambos têm uma origem evolutiva similar e, portanto, possuem “partes” de sua composição similar.

Anticorpos funcionam da mesma forma, embora sejam específicos contra um tipo particular de vírus, por semelhança evolutiva podem funcionar contra vírus que sejam parecidos funcionando “sem querer” contra eles.

QUEM NÃO SE VACINOU ESTÁ MAIS VULNERÁVEL AO VÍRUS?

Pessoas que evitam tomar vacina se mostram mais propensos a desenvolver qualquer tipo de doença. Uma vez que o seu sistema imunológico guarda memória de imunizações anteriores, ele se torna mais efetivo a responder contra infecções de um modo geral.

QUAIS ORGANISMOS ESTÃO MAIS SUJEITOS A SEREM ATINGIDOS PELA DOENÇA? CRIANÇAS, IDOSOS, PESSOAS COM SISTEMA IMUNOLÓGICO MAIS FRACO?

Crianças ainda não tem memória imunológica de doenças porque ainda não passaram por infecções, já no caso de idosos eles perdem a memória imunológica de infecções que já tiverem.

O sistema imunológico deles já perdeu muitas células de defesa que faziam esse papel. Por esses motivos idosos e crianças compõem um grupo de risco mais intenso sendo o quadro pior para idosos do que para crianças de um modo geral.

Já no caso de pessoas que estejam passando por algum tratamento médico que abale o sistema imunológico (quimioterapia ou imunossupressores como corticoides) ou que tenham alguma doença imunossupressora (tal como HIV) devem tomar cuidado redobrado, pois, nesses casos, o sistema imune não consegue lidar com a infecção e torna a pessoa infectada um eficiente espalhador do vírus.

QUAIS AS PRECAUÇÕES A SEREM TOMADAS, QUANTO A CUIDADOS E HIGIENIZAÇÃO DE OBJETOS E AMBIENTES?

Evitar multidões ou ambientes fechados por uso de ar condicionado. Evitar o contato com secreções respiratórias como saliva e escorrimento nasal.

Deve- se evitar também compartilhar objetos de uso pessoal ou dividir alimentos copos, pratos etc. O uso de álcool em gel para higienes rápidas é altamente recomendável embora a lavagem das mãos, boca e nariz se mostre mais eficiente.

SE ALGUÉM ESTÁ COM GRIPE OU RESFRIADO. COMO SABER SE É OU NÃO CORONAVÍRUS?

Os sintomas são muito similares a gripe, ou seja, a febre é um sintoma essencial seguido de sinais respiratórios como espirros, tosse, falta de ar, coriza. Outros sintomas podem surgir em decorrência da infecção como dores musculares, cansaço e fraqueza generalizada.

Não se deve ter medo ou achar que seja um caso de corona vírus a não ser que se tenha um motivo para isso. Se você não viajou para fora do país, não teve contato com alguém que esteve nos países confirmados, a chance de ser coronavírus é extremamente baixa.

Sem um exame laboratorial específico é impossível saber se os sintomas são ou não causados pela ação do coronavírus. O exame trivial em geral só é validado em centros de clínica e pesquisa especializados e bem equipados para esse tipo de análise.

COM QUANTO TEMPO OS SINTOMAS PODEM APARECER? E QUAL PERÍODO DE QUARENTENA?

Em média a infecção, até ter seus sintomas bem definidos, demora em torno de 14 dias. Porém, pessoas que ainda não demonstraram sinais de infecções já são capazes de espalhar e infectar outras pessoas.

Por esse motivo vírus como o SARS, gripe aviária, gripe suína ou mesmo o resfriado comum são altamente contagiosos. Sendo assim, a pessoa da qual se tenha suspeita deve ser monitorada por ao menos 20-24 dias para se ter certeza que a mesma não possui o coronavírus.

O QUE SÃO PESSOAS ASSINTOMÁTICAS?

Pessoas assintomáticas são pessoas que portam o vírus e tem a capacidade de infectar outras, antes mesmo de desenvolver os sintomas da doença. É raro que pessoas sejam assintomáticos e não desenvolvam sintomas da doença, embora existam registros.

Nessas pessoas o vírus se multiplica mais lentamente e o sistema imunológico o combate de maneira mais sútil permitindo assim a manutenção do vírus no corpo. Isso é basicamente o que acontece na natureza com o hospedeiro natural do vírus.

No caso do coronavírus tudo indica que o hospedeiro natural seja o Pangolim Chines, diferente do vinculado anteriormente que apontava morcegos como reservatório natural.

EM QUE MOMENTO PROCURAR UMA UNIDADE DE SAÚDE? QUANDO APRESENTO SINTOMAS OU IMEDIATAMENTE APÓS UMA VIAJEM PARA PAÍSES COM CASOS CONFIRMADOS MESMO QUE NÃO TENHA SINTOMAS?

Se você esteve num país com ao menos 5 casos de infecção confirmados. Ou teve contato com alguém que esteja com o vírus e apresente algum sintoma como febre e problemas respiratórios é indicado que se busque uma ajuda especializada.

Os países que se deve tomar cuidado são: Alemanha, Austrália, Emirados Árabes, Filipinas, França, Irã, Itália, Malásia, China, Japão, Cingapura, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Tailândia, Vietnã e Camboja.

E lembre-se de só procurar ajuda caso realmente apresente algum sintoma principalmente febre e problemas respiratórios, em especial tosse ou espirros.

QUE TIPO DE UNIDADE DE SAÚDE PROCURAR NA CIDADE?

Nesses casos é sempre melhor procurar grandes hospitais. O motivo não é a letalidade do vírus. O coronavírus não é o vírus mais letal do seu grupo, na realidade mata muito menos do que a gripe comum todo ano.

Porém, hospitais maiores tem mais estrutura para conter contaminações e recursos para enviar amostras para centros especializados. O risco do corona é sua alta transmissão, isso deve sempre estar na mente da população para evitar pânico e desinformação com a situação atual.