Doria afirma que testes da vacina chinesa seguem sem reações adversas nos voluntários

Foto: Governo do Estado de São Paulo

Depois de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspender os testes feitos em voluntários com a vacina do coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido em parceria com a Universidade Federal do Estado de São Paulo (Unifesp) o mundo ficou ainda mais sensível sobre o tema.

Por essa razão, o Governo de São Paulo informou nesta quarta-feira (09) que os testes feitos pelo Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac demostram que outra vacina, a Coronavac é segura e segue com as análises.

Em dezembro, o Butantan terá 46 milhões de doses disponíveis para o Ministério da Saúde desenvolver o plano de testagem em massa, segundo informou o diretor do Instituto, Dr. Divas Covas. A taxa de eficiência imune para Covid-19 é satisfatória e segue sendo desencadeada.

Os números demostram que pessoas com mais de 60 anos que receberam mais de uma dose tiveram uma boa resposta imune que chegou a 98% de aprovação para eficácia. “As vacinas são parte fundamental para o prolongamento da vida humana” disse Dimas Covas.

Mesmo assim, o tucano João Doria (PSDB) afirmou que a corrida dos laboratórios não é pela marca ou origem da vacina, mas pela eficacia comprovada do imunizante. “Os testes da Coronavac estão sendo feitos há quase 50 dias e não há nesse período, registros de reação adversa”, disse.

“Os prognósticos são promissores, e a imunização será feita em SP e em todo o Brasil, mas isso vai depender de recursos oriundos de parcerias com a iniciativa privada e apoio do Ministério da Saúde, depois que a Coronavac for registrada pela Anvisa”, apontou Covas.