Empresários temem ‘recuo’ do governo pós flexibilização caso haja aumento de casos de Covid-19

Foto: Divulgação

Em alguns lugares do mundo, principalmente na Europa, novas medidas estão autorizando a retomada da economia, mas com restrições. Mesmo sem chegar ao pico da pandemia, muitas cidades no Brasil articulam aberturas do comércio e serviços

A previsão de liberações fracionadas é para segunda quinzena de junho em várias cidades de São Paulo. De acordo com as organizações de saúde, o Brasil é o potencial novo epicentro do coronavírus.

Outros países atingidos pela doença só reabriram após a curva de contágio, ao contrário do cenário no Brasil em que a curva aumenta dia a dia. Entretanto, a forte pressão de alguns setores estratégicos aceleraram a retomada por aqui.

Mas, a volta neste momento é arriscada, a possibilidade de aumento da curva de contágio e morte, em meio a reabertura, pode se tonar um golpe ainda pior. Apostar hoje, no retorno gradual da economia sem essa queda na curva, já está sendo considerado um risco.

Pois esse “remédio” pode fazer o efeito inverso, o perigo da curva crescer, mediante a volta de atividades econômicas, mesmo com restrições, pode trazer um prejuízo maior se for necessário retomar medidas de isolamentos mais radicais.

Mitigação das Incertezas

Na opinião de quem está no ‘front’ da economia, comércio e prestadores de serviços, são unânimes e favoráveis ao retorno gradual. Mas há uma preocupação geral com os cuidados em setores onde haverá aglomerações de pessoas.

“Seria uma recaída mais forte e possivelmente fatal”, conforme Alex Ramalho, proprietário de uma empresa de prestação de serviço automotivo. “Muitos dos comerciantes precisam abrir urgente, mesmo com restrições, mas ganhar fôlego e depois cortar, seria o final da linha para muitos”, afirma Ramalho.

O pensamento comum é de que mesmo não sendo o momento ideal do ponto de vista da saúde pública para reabrir, a economia do país e das pessoas precisa sobreviver. Neste caso, as medidas devem ser cautelosas e fiscalizadas, para não haja risco de um fechamento mais radical adiante.