Mesmo com o adiamento do ENEM 2020, Prouni mantém regra que proíbe participação de treineiros

Foto: Reprodução

Estudantes não concordaram com a decisão do Inep em manter as mesmas regras nesta edição

Após início das inscrições para o ProUni 2021, estudantes e interessados no programa se manifestaram com insatisfação, através da hashtag #Prouni, no Twitter, depois de terem suas inscrições negadas devido ao último Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).

O programa rejeita a participação de estudantes que realizaram o último exame em 2019 como treineiro, o que impede boa parte dos interessados de participarem, levando em conta que a primeira fase do ENEM 2020 acontece em 17 e 24 de janeiro, dois dias após o fechamento das inscrições para bolsa.

Apesar do aviso prévio, os estudantes levantaram a hashtag, através de contas pessoais no Twitter, por não concordarem com a decisão do Inep em manter a regra nesta edição, já que os participantes não puderam realizar a prova normalmente devido a pandemia do novo coronavírus.

Anteriormente, também através das redes sociais, entidades representativas de estudantes e os próprios participantes do ENEM, levantaram hashtags em pedido do adiamento do exame devido aos riscos de contágio da Covid-19 e as dificuldades trazidas pela educação online.

Apesar disso, foi decidido que a prova aconteceria em janeiro de 2021 e não haveriam novas atualizações, porém entidades representativas continuam reivindicando um novo adiamento das datas. Conforme publicou a UBES:

Quem pode participar da seleção Prouni 2021;

  • Alunos que fizeram o ensino médio em escolas públicas ou privadas, desde que na condição de bolsista integral;
  • participantes que não tenham feito o último Exame Nacional de Ensino Médio como treineiro;
  • Alunos que tenham feito o ultimo ENEM com nota mínima de 450 e não tenham zerado na redação;
  • Estudantes com deficiência;
  • Não possuir status de “Eliminado” no último exame;
  • Professores da rede pública de ensino
  • Estudantes que possuam renda familiar de no máximo 1,5 salário mínimo (R$ 1.650) por pessoa e de até três salários mínimos por pessoa (R$ 3.300) para bolsa parcial