Na crise da pandemia, o foco de vendas online está no dia dos namorados

Foto: Freepik

Na semana passada, o governo divulgou os dados preliminares sobre o emprego com carteira assinada. Entre os meses de janeiro a abril de 2020, o país perdeu mais de 700 mil vagas de trabalho. O setor mais atingido foi o comércio.

Considerado como reflexo do coronavírus, que afetou diretamente a economia do país propiciou diante desse cenário de incertezas que mais gente saísse do mercado formal para o empreendedorismo, como tentativa de sobrevivência.

Com o aumento das demissões, redução de jornada de trabalho e salários, a taxa de desemprego no próximo trimestre pode passar de 12,2% para 15%. E para complementar a renda e arcar com as contas mês, tem gente apostando nas vendas de produtos feitos em casa.

É o caso da dona de casa Monique Santos que fez uma parceria com a irmã e Karoline Santos e juntas, montam kits de guloseimas para casais se presentearem no dia dos namorados. Elas já produzem produtos semelhantes com temas de datas comemorativas.

As irmãs já tem experiência com seguimento artesanal de doces, embalagens e artigos de presentes. De acordo com Monique, as vendas tem saído porque são “coisas que todo mundo gosta”.

Kit presente das irmãs Monique e Karoline

Apesar das tentativas de reabertura de setores produtivos da economia, ainda não dá para prever quanto tempo levará para o término da pandemia. E por isso, milhares de brasileiros já sentem as mudanças radicais na rotina de vida e dos ganhos.

De acordo com Mara Antunes, advogada especialista em direito trabalhista, a crise da informalidade ficou ainda mais acentuada pelo coronavírus. Entretanto, as pessoas tem encontrado no empreendedorismo novas maneiras criativas de geração de renda.