Prefeito espera ‘responsabilidade coletiva’ diante da reabertura de bares, restaurantes e academias

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Na breve live de domingo pelas redes sociais, o Prefeito Gustavo Henric Costa (PSD) reafirmou que se a cidade tiver aumento de casos de Covid-19 terá que retroceder. Até o momento são 11.422 infectados, destes 841 pessoas vieram à óbito.

Guti voltou a insistir que as pessoas respeitem as regras de prevenção e distanciamento para que a cidade possa seguir com o cronograma de reaberturas. O uso da máscara é indispensável nas ruas e comércio diante dessa retomada.

Os últimos 15 dias foram de ataques políticos, discussões, negociações e recursos judiciais. Tudo isso, para que Guarulhos pudesse avançar diante da flexibilização econômica e reabrir setores como bares, restaurantes e academias.

A cidade não foi contemplada pelo Centro de Contingência ligado ao Governo do Estado, como a capital, São Paulo. O que atrasou o calendário municipal que previa aberturas destes seguimentos há sete dias atrás em 06 de julho.

Membros da equipe de Guti como Secretário de Governo, Edmilson Americano principal articulador das negociações com setores empresariais e o Secretário de Saúde, Dr. José Mário Clemente, criticaram duramente o Governador João Doria (PSDB) afirmando que a decisão era ‘claramente política’.

Grupos empresariais e associações pressionaram a atual administração municipal, o que levou o Prefeito pessoalmente até o Palácio dos Bandeirantes. Mas, a inserção da sub região leste da Grande São Paulo na fase 3 – amarela do Plano SP já era cogitada.

Isso porque não só Guti, mas, os prefeitos do Alto Tietê, onde está Guarulhos também se posicionaram diante da decisão do estado. Segundo o consórcio dos prefeitos, a taxa de ocupação de leitos e novas contaminações estão controlados.

E as cidades com comércio restrito estariam em desvantagem diante da atividade econômica, se comparadas com a Capital. Visto a proximidade entre os municípios, caso os serviços por aqui permanecessem fechados.