Governo de SP propõe benefício de até R$ 500 para população baixa renda

Foto: Governo do Estado de São Paulo

O Bolsa do Povo reunirá programas sociais já existentes no Estado; projeto inclui aumento de benefícios e contratação de pais e mães no sistema educativo

O governo de São Paulo anunciou, nesta quarta-feira (7), que pretende criar o programa Bolsa do Povo, que unifica os programas sociais existentes no Estado. O projeto de lei que institui o novo programa será enviado hoje à Assembleia Legislativa (Alesp) em regime de urgência.

De acordo com o governo, o Bolsa do Povo vai pagar benefícios de até R$ 500 e poderá beneficiar até 500 mil pessoas, direta e indiretamente. Além disso, o programa trará aumento nos valores pagos e no número de beneficiados dos programas de assistência.

“Esperamos que em até 45 dias que o projeto possa ser deliberado. E a partir daí, final de maio, começo de junho, cadastramento, lançamento do cartão”, afirmou o vice-governador Rodrigo Garcia.

Caso aprovado pela Alesp, o programa ampliará os valores dos benefícios atuais de dois programas já existentes. O aumento será para o Ação Jovem, voltado a estudantes entre 15 e 24 anos e no Renda Cidadã, que atende pessoas de baixa renda. O novo valor deve passar de R$ 80 para R$ 100.

O programa também define a contratação de 20 mil pais e mães de alunos para trabalhar em jornadas de até quatro horas diárias como colaboradores nas escolas públicas. A proposta prevê capacitação e uma remuneração de R$ 500/mês dentro do sistema de ensino estadual.

O Estado de São Paulo estipula um investimento de R$ 1 bilhão no programa, apenas em 2021, para enfrentamento à vulnerabilidade socioeconômica causada pela pandemia. O governo informou que estuda a ampliação de outros valores e criação de novas ações que atendam as demandas emergenciais da população de baixa renda.

O Bolsa do Povo unifica os seguintes programas: Bolsa Trabalho (Emprego), Bolsa Renda Cidadã (Assistência Social), Bolsa Aluguel Social (Habitação), Bolsa Talento Esportivo (Incentivo), Bolsa Auxílio Via Rápida (Qualificação Profissional), Ação Jovem e contratação de mães e pais nas escolas (Educação), além da contratação de agentes de apoio na Saúde.