São Paulo inicia última semana para vacinação contra poliomielite e sarampo

Foto: Divulgação

Campanha oferece outras 14 vacinas que protegem contra cerca de 20 doenças

A Secretaria de Estado da Saúde encerra nesta sexta-feira (13) a Campanha de Vacinação contra Poliomielite e Multivacinação. Ainda é preciso vacinar no estado 1,1 milhão de crianças menores de cinco anos contra a paralisia infantil. Apenas 47,8% do público-alvo foi vacinado até o final da última semana.

A meta da imunização contra pólio é de 95% do público-alvo, equivalente a 2,1 milhões de crianças. Até o momento foram vacinadas 1.059.162 crianças, assim como a campanha contra a pólio, a de multivacinação também está bem abaixo da meta.

Desde 2 de outubro, quando a campanha teve início, cerca de 641,8 mil crianças e adolescentes de 5 a 14 anos comparecerem nos pontos para atualização da carteira vacinal. Destes, 293,5 mil tiveram vacinas aplicadas, representando 45,7%.

O índice de comparecimento nesta faixa etária está em apenas 10,2%. Na faixa de menores de um ano, 307,9 mil estiveram nesses serviços (cerca de 50,3% do público-alvo), com vacina aplicada em 209,9 mil (68,2% no total).

As campanhas têm como principal objetivo aumentar a cobertura vacinal e atualizar cadernetas, aplicando doses de vacinas importantes e que podem estar pendentes, garantindo assim a devida proteção contra os vírus que circulam no território.

Para garantir a prevenção contra a poliomielite, pais ou responsáveis por crianças com idade entre 1 ano e menores de 5 anos devem levar os pequenos para receber a “gotinha” (vacina oral, VOP).

“Reforçamos o pedido aos pais e responsáveis para que levem os menores de 14 anos aos postos de vacinação para a atualização das carteirinhas e imunização contra poliomielite. A vacinação é a única forma de prevenirmos diversas doenças graves que podem ser fatais”, afirma o Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

Somente com a participação e o comparecimento de país e responsáveis aos postos de vacinação vamos garantir coberturas vacinais de 90 e 95%, metas indicadas para proteção efetiva da população”, explica a coordenadora do Programa Estadual de Vacinação, Helena Sato.

Tipos de vacinas

Os pais ou responsáveis devem levar as crianças a um dos 5 mil postos de saúde localizados nos municípios do Estado com a carteira de vacinação em mãos para que um profissional avalie quais doses precisarão ser aplicadas, tanto para eventual situação de atraso, falta ou necessidade de reforço.

A medida contribui para melhorar as coberturas vacinais, que têm oscilado nos últimos anos. No total, serão oferecidas 14 tipos de vacinas que protegem contra cerca de 20 doenças:

  • BCG (tuberculose);
  • rotavírus (diarreia);
  • poliomelite oral e intramuscular (paralisia infantil);
  • pentavalente (difteria, tétano, coqueluche, hepatite B, Haemophilus influenza tipo b – Hib);
  • pneumocócica;
  • meningocócica;
  • DTP; tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola);
  • HPV (previne o câncer de colo de útero e verrugas genitais);
  • febre amarela, varicela e hepatite A.

Além disso, neste ano, também passou a integrar o SUS uma nova vacina, já inserida na campanha: Meningo ACWY, que protege contra meningite e infecções generalizadas, causadas pela bactéria meningococo dos tipos A, C, W e Y.

Somando todos os tipos de vacinas, são mais de 5,2 milhões distribuídas nos postos do estado para aplicação na população-alvo. A tabela completa com relação das vacinas, faixas etárias previstas para receber as doses e dados de cobertura está disponível neste link.