Outubro Rosa: a importância de exames preventivos no combate ao câncer de mama

Foto: Ave Calvar Martinez/Pexels

Campanha Outubro Rosa visa estimular a prática de exames e diagnósticos precoces do câncer de mama

O Outubro Rosa, campanha de conscientização ao câncer de mama, tem como objetivo promover e alertar a importância do diagnóstico precoce da doença e incentivar mulheres a realizarem seus exames.

Desde o início da década de 1990, a campanha é responsável pela disseminação de informação relevante e conscientização dos exames preventivos ao câncer de mama e de colo de útero, que são fundamentais para aumentar as chances de cura da doença em até 95%.

No Brasil, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de mama e o de colo do útero representam o 2º e o 3º lugar, respectivamente, entre os tipos de cânceres que mais atingem mulheres no país. Para o ano de 2020, foram estimados mais de 66 mil e 16 mil novos casos para cada tipo.

O câncer de mama é o crescimento descontrolado das celular mamarias, e vale reforçar que embora ocorra quase que exclusivamente em mulheres, homens também podem ser portadores da doença.

Sintomas

Em casos da doença em homens, os principais sintomas são:

  • pele enrugada ou ondulada;
  • Encolhimento do mamilo;
  • Protuberância ou inchado, nem sempre indolor;
  • Vermelhidão ou descamação da mama ou mamilo;
  • Inchaço nos linfonodos axilares.

Já em mulheres:

  • Irritação ou alargamento de uma parte da mama;
  • Nódulo único endurecido;
  • Dor no mamilo ou mama;
  • Vermelhidão e inchaço da pele;
  • Espessamento ou retratação da pele ou mamilo;
  • Inchaço na mama;
  • Secreção sanguinolenta ou serosa pelos mamilos;
  • Linfonodos aumentados.

O modo mais eficaz para a descoberta da doença é a realização da mamografia e do Papanicolau. A mamografia é o exame capaz de identificar lesões que não são palpáveis, ou seja, que o exame de toque não é capaz de localizar. Já o Papanicolau é responsável pela checagem da saúde uterina da mulher.

Infelizmente, menos de 30% das mulheres brasileiras realizam a mamografia conforme a indicação médica, que seria anualmente, ou a cada dois anos. E apenas 16% realizam exames ginecológicos, número que representa aproximadamente metade do mínimo indicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

O resultado disso é o diagnóstico de 70% dos casos de câncer de mama e colo de útero já em estágio avançado. Um dado muito preocupante, levando em consideração que mais de 90% dos casos, de acordo com o INCA, poderiam ser evitados com atitudes simples, como a realização de exames preventivos, com uma rotina saudável e, no caso do câncer de colo do útero, com a vacina contra o HPV, disponível nas redes públicas de saúde.

Outro ponto que preocupa oncologistas é o número de pacientes que deixaram de fazer exames de rotina por conta da pandemia. Um estudo da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), realizado com 120 oncologistas associados, apontou que mais de 74% deles tiveram um ou mais pacientes que interromperam ou adiaram o seu tratamento por mais de um mês durante a epidemia da Covid-19 no Brasil.