Motoristas de Guarulhos poderão ter ‘cobrança diferenciada’ em novo pedágio da Via Dutra

Foto: Estadão Conteúdo/Reprodução

A proposta do governo federal é cobrar por km rodado em um sistema automático de leitura da placa do veículo

A partir de 2022, a rodovia Presidente Dutra, principal ligação entre Guarulhos e São Paulo terá mudanças, já que uma nova concessão está prevista na BR 116 entre o Rio de Janeiro e São Paulo. O leilão está com a data marcada para 29 de outubro na Bolsa de Valores (B3).

O projeto foi aprovado em 28 de julho pelo Tribunal de Contas (TCU) em seguida, o edital foi publicado em 18 de agosto. No texto, há brecha para cobrança de pedágio no trecho de Guarulhos, um dos mais movimentados da rodovia no perímetro urbano.

Em um evento no Aeroporto Internacional de Guarulhos nesta quarta-feira (08) sobre o People Mover, o Secretário Executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio explicou como será feita a cobrança por free-flow sem praça de pedágio na cidade.

“O usuário vai pagar um valor proporcional ao que ele vai utilizar da infraestrutura, o que nós temos hoje é se você vai andar 10, 20 ou 30 km você vai pagar um valor igual até a próxima praça de pedágio e pra todos os usuários,” expôs Sampaio.

O sistema vai gerar o preço a ser pago por quilometro rodado, em um mecanismo que permitirá cada veículo fazer check in check out. De acordo com o secretário, a cobrança será feita via ORC, uma tecnologia que consiste em cálculo automático de valor proporcional à distância percorrida pelo veículo, eliminando a necessidade de parada.

Motoristas de Guarulhos

No entanto, Marcelo Sampaio ponderou a cobrança para Guarulhos, que tem um grande volume de veículos que usam a via Dutra como principal avenida rumo a São Paulo. “A gente sabe que aqui tem um trânsito urbano muito grande, há um zelo com essa questão, para que o usuário desse município tenha um tratamento diferenciado,” disse.

Ainda de acordo com Sampaio, está previsto também, o desconto para usuário frequente, para os que passam mais de uma vez, por dia ou por semana pela rodovia. Entretanto, a cobrança deverá ser instalada somente na pista expressa, já que o edital prevê apenas cobrir o que é de competência federal.

Neste caso, as pistas marginais são de responsabilidade do município, conforme afirmou o secretário que disse ainda, que a cobrança poderá ser via placa ou etiqueta eletrônica. Desta forma será avaliado pela nova concessionária o sistema mais eficiente de cobrança.

Na avaliação de Sampaio, a cabine de pedágio é um custo muito elevado e a fuga também é expressiva. O objetivo é facilitar o mecanismo para a ganhadora da licitação, que terá liberdade para avaliar o risco de inadimplência diante da nova tarifação.

A contrapartida será fiscalizada pela Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT) e a estimativa é de que R$ 15 bilhões de reais sejam empenhados na via Dutra pelos próximos 30 anos.