Mitos e verdades sobre medicamentos manipulados

Foto: Divulgação

A medicação manipulada só pode ser vendida com a apresentação da receita médica, prescrita somente por um profissional de saúde qualificado

É muito comum pacientes que necessitam de tratamento farmacêutico terem dúvidas sobre medicamentos manipulados, quando precisam recorrer a uma farmácia de manipulação. Com isso, a Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag) aconselha os pacientes em geral a tomarem alguns cuidados, já que todo remédio, salvo algumas exceções, pode ser manipulado.

Embora as medicações manipuladas tenham a mesma efetividade que qualquer outro remédio, possibilitando os mesmos resultados dos produtos vendidos em drogarias convencionais, os medicamentos manipulados podem ser a saída certa para pacientes alérgicos a determinadas substâncias, já que as farmácias de manipulação possuem condições de preparar formulações totalmente personalizadas e isentas desses alergênico. 

Mesmo comercializada em estabelecimentos específicos, a medicação manipulada só pode ser vendida com a apresentação da receita médica, prescrita somente por um profissional de saúde qualificado, como médico, farmacêutico, dentista, nutricionista e veterinário. Como a origem da matéria-prima do medicamento manipulado é a mesma de qualquer outro laboratório, a apresentação do documento torna-se ainda mais obrigatória.

Outro questionamento é em relação a faixa de preço desses remédios. Há inúmeras situações que o medicamento manipulado pode sair mais caro, como é no caso dos remédios genéricos. No entanto, em muitas outras, pode significar um boa economia devido à eliminação de sobras e do desperdício de substâncias, já que o paciente paga apenas pela quantidade exata para determinado período de tratamento. 

“O paciente e o médico sempre devem avaliar a melhor relação custo-benefício de cada escolha, já que o fator decisivo para optar pelo produto manipulado é a necessidade de personalização da fórmula, que permite que cada pessoa adquira o produto na dose exata para a necessidade de seu organismo”, explica  o farmacêutico e diretor executivo da Anfarmag, Marco Fiaschetti.

Caso o paciente apresente qualquer outra dúvida, este deve consultar um profissional habilitado para esclarecer a forma mais adequada sobre o uso dos medicamentos e sobre os riscos de interação e efeitos colaterais. As dúvidas podem ser tiradas também nas farmácias de manipulação que, por ser um estabelecimento de saúde, conta obrigatoriamente com pelo menos um farmacêutico à disposição da população.