Segundo estudo, 55% das famílias que queriam filhos adiaram o sonho na pandemia

Foto: Seniv Petro

As famílias que perderam renda, são as que mais mudaram seus planejamentos familiares

A pandemia do coronavírus trouxe incertezas para muitos lares brasileiros. As famílias que antes tinham o sonho de engravidar pela primeira vez ou novamente, tiveram que mudar um pouco seus planos. Já para outras que dependem do sistema de saúde, o acesso aos métodos contraceptivos ficou mais difícil, o que aumenta o número de gestações não planejadas. 

A Famivita, em seu mais recente estudo constatou que 55% dos brasileiros tiveram que rever seus planejamentos familiares desde que a pandemia começou. Essa alteração do planejamento afetou principalmente as famílias que perderam renda durante a pandemia, 65% delas. Além disso, as grávidas, estão entre as que mais alteraram seus planejamentos, com 60% das participantes.

Outro dado importante é que, entre o público do site da Famivita, que é em sua grande maioria composto por grávidas e mulheres que estão tentando engravidar, pelo menos 46% delas não pretendem engravidar nos próximos 12 meses.

Já os dados por estado demonstram que o Tocantins é o estado em que mais pessoas alteraram o planejamento familiar, com 65% da população. Em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, 56% das famílias mudaram seus planejamentos. Já no Rio de Janeiro e em São Paulo, pelo menos 54% dos participantes passaram por essas alterações. O estado que menos teve alterações foi o Acre, com somente 35% da população.