CPI retoma depoimento de Emanuela Medrades, diretora da Precisa Medicamentos

Foto: Pedro França/Agência Senado

Nessa terça-feira (13), ela compareceu à Comissão e se recusou a responder perguntas dos senadores; depoimento foi adiado a pedido da diretora que alegou estar “exausta”

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia retomou nesta quarta-feira (14) o depoimento de Emanuela Medrades, diretora da Precisa Medicamentos. A Precisa é responsável por um contrato com o Ministério da Saúde para aquisição da vacina indiana Covaxin, da Bharat Biotech, para o qual foi apontado indícios de superfaturamento.

Em depoimento à CPI, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e o irmão dele, Luis Ricardo Miranda, que é servidor concursado do Ministério da Saúde, indicaram suspeitas de irregularidades envolvendo a compra dessa vacina.

O deputado procurou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em março para alertar sobre suspeitas de corrupção na compra de 20 milhões de doses. De acordo com o parlamentar, Bolsonaro não tomou nenhuma providência para impedir a fraude.

Protegida por um habeas corpus que lhe deu o direito de ficar calada, Emanuela compareceu à CPI nessa terça-feira (13) e se recusou a responder perguntas feitas pelos senadores. Isso levou a comissão a pedir ao tribunal explicação sobre o alcance da decisão. No retorno, o presidente da CPI, Senador Omar Aziz (PSD-AM), atendeu ao pedido de adiamento feito pela diretora da Precisa, que alegou estar “exausta”.

*Com informações da Agência Senado