Osmar Terra nega existência de “gabinete paralelo” que aconselhava Bolsonaro sobre pandemia

Foto: Agência Senado

O deputado federal e ex-ministro assumiu que aconselha o presidente quando perguntado, mas classificou como “absurdo” que isso seja visto como “gabinete secreto”

À Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, o deputado federal e ex-ministro da Cidadania Osmar Terra (MDB-RS) negou, nesta terça-feira (22), a existência de um “gabinete paralelo” que aconselhava o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o enfrentamento ao coronavírus.

A participação de Osmar Terra no “gabinete paralelo” foi citada pela primeira vez em maio, durante depoimento do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta à CPI. Na ocasião, Mandetta afirmou que “outras pessoas” buscavam desautorizar orientações do Ministério da Saúde a Jair Bolsonaro. Entre eles, o ex-ministro da Cidadania.

Ao responder ao relator da Comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL), sobre o tema, Terra afirmou que transformar o aconselhamento em um “gabinete secreto” é um absurdo. Ele ainda disse que “de vez em quando” o presidente lhe pergunta alguma coisa.

“Mas eu posso lhe dizer que não existe esse gabinete, esse gabinete é uma ficção, alguma recomendação, algum conselho? Isso é natural. Todos tiveram, todos presidentes, até hoje, que eu sei, se aconselham com alguém”, ressaltou o ex-ministro.

A pergunta de Calheiros sobre o gabinete veio após exibição de um vídeo de Osmar Terra e diversos médicos com o presidente Jair Bolsonaro e sem a presença do então ministro da saúde Eduardo Pazuello.

Imunidade de rebanho

Renan Calheiros também perguntou a Osmar Terra se o número alto de mortos na busca pela imunidade de rebanho seria defensável. O deputado reafirmou que nunca defendeu imunidade de rebanho como estratégia para o enfrentamento à pandemia.

“Há uma falha aqui em considerar a imunidade de rebanho uma estratégia. Nunca foi estratégia, nunca foi uma estratégia. A imunidade de rebanho é uma constatação de como termina uma pandemia. É isso, isso está em todos os livros, não sou eu que inventei esse termo”, respondeu Terra.

Calheiros confrontou o parlamentar com declarações anteriores, quando Osmar Terra chegou a afirmar que a vacina só teria eficácia “depois da imunidade de rebanho”. No entanto, no depoimento, Terra apontou a vacinação como eficaz para a imunização da população, mas não abandonou a imunidade por infecção.

O senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI, criticou as declarações de Osmar. Para Aziz, quem incentivou remédio sem eficácia comprovada contra Covid-19, foi contra isolamento social e apostou na imunidade de rebanho é “cúmplice das mortes”.