Anvisa inicia medidas de precaução para voos do Reino Unido no Aeroporto de Guarulhos

Foto: Gettyimages

As orientações emergenciais trazem medidas de monitoramento e rastreamento de contatos de passageiros e tripulantes que chegarem ao Brasil

O Ministério da Saúde elaborou novas recomendações para lidar com a chegada de pessoas vindas do Reino Unido, diante de uma nova variante do coronavírus. As orientações emergenciais trazem medidas de monitoramento e rastreamento de contatos de passageiros e tripulantes que chegarem no Brasil por voos do Reino Unido, ou que, recentemente, estiveram no país europeu.

A GRU Airport, responsável pela administração do complexo, confirmou que os novos protocolos já estão sendo cumpridos desde de terça-feira (22). Para se ter uma ideia, entre os dias 1° e 30 de novembro, mais de 1.9 milhão de viajantes passaram pelo aeroporto.

A ação articulada com os fiscais sanitários de portos, Aeroportos e com a comunicação dos passageiros e tripulantes oriundos do Reino Unido, a Rede Nacional de Vigilância, Alerta e Resposta às Emergências em Saúde (Rede CIEVS) atuará em contato com as vigilâncias locais para monitorar as condições de saúde e direcioná-los junto à atenção à saúde, bem como à vigilância sanitária, para adoção de medidas de prevenção e controle da Covid-19.

Neste cenário, pessoas oriundas o Reino Unido recomenda-se o autoisolamento de, no mínimo, dez dias. Aqueles que apresentem quadro de síndrome gripal (SG) com confirmação por quaisquer critérios para Covid-19 recomenda-se o isolamento, suspendendo-o após 10 dias do início de sintomas, desde que nas últimas 24 horas não apresente febre sem uso de medicamentos antitérmicos e remissão dos sintomas respiratórios.

Para casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) com confirmação por quaisquer critérios para Covid-19, recomenda-se o isolamento, suspendendo-o após 20 dias do início dos sintomas OU após 10 dias com resultado RT-qPCR negativo, desde que passe 24 horas de resolução de febre sem uso de medicamentos antitérmicos e remissão dos sintomas respiratórios, mediante avaliação médica.

Os casos encaminhados para isolamento deverão continuar usando máscara e manter a etiqueta respiratória, sempre que for manter contato com outros moradores da residência, mesmo adotando o distanciamento social recomendado de pelo menos um metro. Neste período, também é importante orientar ao caso em isolamento, a limpeza e desinfecção das superfícies, conforme as recomendações da Anvisa.

Já nesta segunda-feira (21/12), agentes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realizaram ação de fiscalização e acompanhamento em voo proveniente da Inglaterra, que pousou no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro.

Fiscais sanitários da Anvisa orientam as pessoas ainda dentro da aeronave. O desembarque respeitou o distanciamento social entre os passageiros – de pelos menos um metro -, que tiveram acesso restrito ao Duty Free, e o avião passou por limpeza e desinfecção.

Vale ressaltar que, a partir da próxima quarta-feira (30/12), entrará em vigor a restrição de entrada, por rodovias, portos e aeroportos, no Brasil para estrangeiros de qualquer nacionalidade, publicada na Portaria 630/2020. Antes do embarque, os viajantes precisarão apresentar à companhia aérea um documento que comprove o resultado não detectável de teste laboratorial (RT-PCR) para  Covid-19.

Nova variante do coronavírus

Um alerta da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre uma nova variante do SARS-CoV-2 identificada no Reino Unido motivou a elaboração das novas medidas de precaução. O país registrou rápido aumento de casos notificados de Covid-19 nas regiões, nas quais uma nova cepa do coronavírus foi detectada.

Até o momento, não há evidências suficientes para determinar se a variante tem algum impacto na gravidade da doença, resposta de anticorpos, transmissão, desempenho de testes de diagnóstico ou eficácia da vacina. 

*Com informações do Ministério da Saúde