Cerca de 7 milhões de testes de covid guardados em Guarulhos podem parar no lixo

Foto: Pexels

Os produtos estão perto do vencimento e se não forem distribuídos a tempo ficarão inutilizáveis

Estocados em um armazém do governo federal em Guarulhos, 6,86 milhões de testes do tipo RT-PCR, que servem para o diagnóstico do novo coronavírus, não foram distribuídos para a rede pública de saúde e podem acabar sendo descartados. A informação é do jornal O Estado de S.Paulo e foi divulgada neste domingo (22).

O lote que está avaliado em R$ 290 milhões pode ir parar no lixo por conta da data de validade, que expira entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021. A reportagem expôs dados alarmantes, pois o Brasil pode acabar jogando fora mais exames do que já realizou até hoje.

As informações dão conta de cinco milhões de testes deste tipo aplicados até o momento. No total, já foram investidos R$ 764,5 milhões.

Segundo o jornal, a responsabilidade pelo possível prejuízo virou um “jogo de empurra” entre o ministério da Saúde e estados e municípios porque a compra é feita pelo governo federal, mas a distribuição ocorre mediante demanda de governadores e prefeitos.

O Ministério da Saúde já distribuiu 8,7 milhões de unidades de testes aos estados brasileiros e exterior, parte delas não foram consumidas. Os dados sobre o prazo de validade dos testes estão registrados em documentos internos da Saúde, com compilação de dados até a última quinta-feira (19).

Relatórios acessados pela reportagem do Estadão mostram que 96% dos 7,15 milhões dos exames em estoque vencem em dezembro e janeiro. O restante, até março de 2021. O Ministério da Saúde já pediu ao fabricante uma análise para prorrogar a validade dos produtos.

Estados, Municípios e Ministério da Saúde

Segundo afirma o Estadão, o Conasems (Conselho Nacional de Secretarias municipais de Saúde) e o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) afirmam que o ministério o não entregou todos os kits de testes e máquinas para automatizar a análise das amostras que foram prometidos.

“O contrato que permitia o fornecimento de insumos e equipamentos necessários para automatizar e agilizar a primeira fase do processamento das amostras foi cancelado pelo Ministério da Saúde”, destacou o Conass.”Há o compromisso da pasta de manter o abastecimento durante o período de 3 meses, contados a partir do cancelamento. É fundamental, porém, que uma nova contratação seja feita e a distribuição dos insumos seja retomada em tempo hábil”, acrescentou.

“O que causa estranheza é esse estoque parado enquanto temos dificuldade de levar a coleta para a atenção básica”, disse o assessor técnico do Conasems, Alessandro Chagas.

Por sua vez o Ministério afirma que “distribui os exames a partir de demandas dos estados”. São Paulo foi o segundo estado que mais recebeu testes, foram 1,180 milhões, ficando atrás somente do Rio de Janeiro, com 1,239 milhões.