Em 15 dias, Alto Tietê teve 84% a mais de óbitos, Guarulhos representa maior fatia

Foto: REUTERS / Lindsey Wasson/Direitos reservados

O retrocesso no Plano SP é reflexo do aumento do número de casos, internações e óbitos. A mudança implica na redução do horário de funcionamento de comércios e serviços para oito horas/dia durante a semana, com limitação de atendimento até 20 horas e 40% da capacidade.

No período das 20h às 6h só podem funcionar os estabelecimentos essenciais. O mesmo vale para os finais de semana (30 e 31 de janeiro e 6 e 7 de fevereiro). As prefeituras farão os seus decretos municipais, de acordo com as regras do Estado.

A fase laranja volta a limitar o processo de retomada econômica, mas reflete a pressão das estatísticas de saúde e não é uma situação localizada. O Alto Tietê registra uma taxa de ocupação de leitos em UTI Covid de 74,6%, superior à da Grande São Paulo, que está em 71,6%.

Só nos últimos 14 dias a região registrou 988 novas internações entre casos confirmados e suspeitos. Atualmente, a região conta com 593 leitos nos hospitais públicos estaduais e municipais, sendo 239 de UTI e 354 de enfermaria.

Ainda nos últimos 14 dias houve um aumento de 84% nos números de óbitos, o que significa 92 óbitos a mais com relação a 14 dias anteriores. Já o percentual de novos casos da doença chegou a 55%, o que equivale a 2.032 novos casos considerando o mesmo período.

A média dos últimos 14 dias é de 6,62 óbitos para cada 100 mil habitantes. Os dados têm como referência o dia 21 de janeiro. Na fase laranja os estabelecimentos comerciais podem funcionar por até oito horas diárias, com atendimento presencial limitado a 40% da capacidade e encerramento às 20h.

O consumo local em bares está totalmente proibido. Já na fase vermelha apenas os serviços essenciais estão autorizados a funcionar. O retorno dos alunos às aulas presenciais da rede estadual durante as fases vermelha e laranja, ficando à critério dos pais.