Empresas privadas em SP vão produzir e distribuir oxigênio ao estado

Foto: Carlos Vilela/Reprodução

Governo pediu apoio para ampliar o fornecimento e garantir abertura de novos leitos

O Governo de SP vai mobilizar a iniciativa privada para garantir o fornecimento do gás hospitalar e dos cilindros necessários para a criação de novos leitos. Para os leitos já existentes, os fornecedores asseguraram o fornecimento, sem riscos de desabastecimento.

Empresas que fornecem gases hospitalares no estado de São Paulo informaram que honrarão os contratos vigentes, inclusive considerando a ampliação já realizada na estrutura hospitalar. O desafio é atender à nova demanda de oxigênio para abastecer os leitos adicionais previstos para os próximos dias.

Os hospitais estaduais possuem usina própria ou grandes tanques de oxigênio que realizam o atendimento da maior parte dos pacientes. Já UPAs, UBSs e hospitais de cidades de pequeno porte, em geral possuem estruturas menores e dependem da utilização de cilindros, que estão escassos em todo o país.

Em razão disso, o Governo de SP encaminhou pedidos às indústrias para que possam disponibilizar os cilindros para que sejam devidamente higienizados e convertidos ao uso hospitalar.

Os cilindros de oxigênio são utilizados em atividades industriais diversas como nos setores naval, automotivo, petroquímico e metalúrgico, entre outros. A expectativa é de que nos próximos dias, as empresas do setor privado possam doar cerca de 3 mil cilindros para contribuir com o enfrentamento da pandemia do coronavírus.

Mobilização e apoio

A ação do Governo sensibilizou grandes empresas que já aderiram ao chamamento para um esforço conjunto no fornecimento de oxigênio para os pacientes graves contaminados pelo Coronavírus.

A cervejaria AMBEV vai montar, no prazo de 10 dias, uma usina exclusivamente dedicada ao envase de oxigênio na região de Ribeirão Preto, para fornecimento gratuito ao setor público de saúde, em especial hospitais municipais.

A companhia Copagaz também se comprometeu a realizar a adaptação da frota, já utilizada no transporte de botijões de gás, para a distribuição dos cilindros que forem doados, assim como para a logística de abastecimento das unidades de saúde. O acordo de disponibilização da frota também será realizado sem custos para Estado e municípios.