Governo Bolsonaro suspende contrato de compra da vacina indiana Covaxin

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A medida ocorreu após o depoimento dos irmãos Miranda na CPI da Covid-19

O Governo do Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou nesta terça-feira (29) a suspensão do contrato de intenção de compra da vacina indiana Covaxin. A medida se deu 100 dias após a primeira sinalização de suspeita de fraudes na negociação.

Os Ministros da Saúde, Marcelo Queiroga e da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário afirmaram que o contrato permanecerá suspenso enquanto houver auditoria no processo de aquisição deste imunizante.

O contrato da Covaxin entrou na mira da CPI da Covid-19 no Senado Federal após o depoimento dos irmãos Miranda. Luis Ricardo Miranda servidor do Ministério da Saúde e deputado Luis Miranda (DEM) denunciaram irregularidades no processo de aquisição.

Os Miranda disseram ter procurado o presidente Jair Bolsonaro em março para alertar sobre suspeitas de corrupção na compra de 20 milhões de doses. A Covaxin é a mais cara das vacinas negociadas pelo Brasil e a única que tem uma empresa intermediária na negociação.

Depois da revelação, o presidente passou a ser acusado pelo crime de prevaricação, a Procuradoria-Geral da República, no entanto pediu ao Supremo Tribunal Federal que aguarde o término da CPI antes de decidir sobre a notícia-crime contra Bolsonaro.