Grávidas e puérperas são incluídas no grupo prioritário da vacinação contra Covid-19

Foto: Reprodução

Ministério da Saúde orientou que todas as mulheres gestantes ou no pós-parto sejam imunizadas; vacinação não tem data prevista, mas deve ocorrer ainda em maio

O Ministério da Saúde orientou a inclusão de todas as gestantes, puérperas (mães de recém-nascidos) e lactantes no grupo prioritário de vacinação contra a Covid-19. A imunização depende da disponibilidade de doses e não tem prazo para ocorrer, mas poderá ser iniciada até o final de maio.

Em nota, o órgão recomenda que a imunização ocorra em duas etapas. Na primeira, apenas mulheres grávidas e puérperas que tenham comorbidades receberão as doses da vacina. Já na segunda fase, serão vacinadas todas as gestantes e puérperas, mesmo sem condições pré-existentes. 

A segurança e eficácia das vacinas não foram avaliadas nestes grupos, no entanto, o governo ressalta que as vacinas de plataformas de vírus inativado já são utilizadas por esse grupo de mulheres no Calendário Nacional de Vacinação.

Além disso, a pasta afirma que um levantamento realizado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE) apontou que a maioria das recomendações nacionais e internacionais defende a vacinação das mulheres nessas condições, se pertencentes a algum grupo prioritário.

Para gestantes sem comorbidades e que pertençam aos grupos prioritários, orienta-se que seja realizada a avaliação dos riscos e benefícios, principalmente em relação às atividades desenvolvidas pela mulher.

As gestantes que se enquadrarem nesses critérios deverão ser vacinadas conforme o calendário de vacinação dos grupos prioritários disponíveis no Plano Nacional de Vacinação.

Cuidados e recomendações

A recomendação da pasta indica que, para se vacinar na primeira fase, a gestante precisará apresentar exames, receitas, relatório médico ou prescrição médica que comprove a comorbidade. A vacinação poderá ocorrer em qualquer tempo de gestação.

No caso de lactantes, é instruído que não interrompam o aleitamento materno. O grupo poderá receber qualquer vacina disponível. Para quem tomou a vacina contra a gripe, o intervalo mínimo de 14 dias entre as doses deverá ser respeitado.