Guarulhos ultrapassa 300 mil pessoas com a segunda dose da vacina contra Covid-19

Foto: Fábio Nunes Teixeira/PMG

No entanto, já são 39.084 pessoas que ainda não retornaram às Unidades Básicas de Saúde (UBS) para completar o esquema vacinal

A cidade ultrapassou a marca de 300 mil pessoas vacinadas com a segunda dose da vacina contra a Covid-19. Guarulhos saiu de 297.441 nesta terça-feira (24) para 320.106 doses aplicadas nas últimas 48 horas.

No entanto, já são 39.084 pessoas que ainda não retornaram aos postos em Guarulhos para tomar a segunda dose contra a Covid-19. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, até o final de julho eram 15.335 pessoas que não compareceram na data prevista.

Os dados foram extraídos do Sistema Vacivida no final da tarde desta quarta-feira (25). Desse total, 18.016 deveriam ter completado seu esquema vacinal com o imunizante Coronavac, 21.059 com AstraZeneca e nove com a Pfizer.

A pasta informou nesta quinta-feira (26) que intensificar a busca ativa desses faltosos, que já é feita telefone e visita domiciliar dos agentes comunitários de saúde. Além disso, com a reabertura das UBS aos sábados, há oferta da 2ª aplicação da vacina aos faltosos.

Ao todo, só em agosto, 15.708 pessoas deveriam ter completado o esquema vacinal com a Coronavac, 18.380 com a AstraZeneca e quatro com a Pfizer. Mas, há também guarulhenses que já deveriam estar imunizados desde os primeiros meses da campanha.

No caso da vacina Coronavac, são 31 pessoas que tinham prazo marcado para tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19, em fevereiro e ainda não retornaram, outras 305 em março, 532 em abril, 628 em maio, 91 em junho e 721 em julho.

Da AstraZeneca, 196 tinham de ter tomado a segunda dose em abril e não voltaram, 243 em maio, 126 em junho e 2.114 em julho. Já com relação ao imunizante da Pfizer, três pessoas com prazo para julho, ainda não completaram seu esquema vacinal.

Entretanto, muitas vezes, os profissionais têm dificuldade para efetuar contato com essas pessoas, e quando conseguem também encontram resistência de alguns. As justificativas são medo reação da vacina ou por consideram imunizados com a primeira dose.

Também existem casos de óbitos entre os faltosos e até mesmo esquecimento da data, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde.