Guti e Condemat vão à Doria sugerir medidas mais restritivas na Grande SP

Foto: Divulgação/PMG

O Consórcio pede que o Comitê de Saúde do Governo do Estado avalie novas alternativas para restringir a circulação de pessoas nas ruas

O Conselho de Prefeitos do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê participa no próximo domingo (21), às 16h, de reunião virtual com o governador João Doria (PSDB) para uma definição do Governo do Estado sobre a adoção de medidas mais restritivas em toda a Região Metropolitana de São Paulo.

A tentativa visa frear a curva de contaminação pelo coronavírus. Em assembleia virtual realizada nesta sexta-feira (19), os prefeitos voltaram a apontar que é necessário que esta diretriz parta do Centro de Contingência do Estado, pois o endurecimento das regras só será eficiente se for adotado em toda a Grande São Paulo.

Entre as mudanças estão a circulação do transporte público comum, em especial o sistema estadual de trens e ônibus que interliga as cidades e que tem sido um grande alvo de reclamações por conta da dificuldade de manter o distanciamento social.

“Entendemos que é preciso restringir ainda mais a circulação de pessoas nas ruas para conter a transmissão do vírus, no entanto precisamos que este efeito seja regional mediante estudos técnicos do impacto destas medidas na situação atual da pandemia. Não podemos nos esquecer também dos impactos sociais e econômicos que estas medidas mais duras podem causar”, disse o presidente do consórcio, Rodrigo Ashiuchi.

Os prefeitos discutiram ainda hoje, a possibilidade de antecipar feriados municipais e pontos facultativos. “Vamos aguardar o posicionamento do Estado na reunião de domingo e, logo em seguida, nos reuniremos para definirmos a nossa atuação em bloco”, frisou Ashiuchi.

Hoje, a prefeitura de Mogi das Cruzes, anunciou que a partir de segunda-feira (22) a cidade entra na chamada “fase crítica”, com a restrição de circulação de pessoas durante todo o dia. Nas últimas 24 horas a região registrou mais de 900 novos casos de Covid-19 e 39 óbitos.

Desde o início da pandemia foram 114.938 pessoas contaminadas, sendo que destas, 4.865 vieram a óbito. A ocupação de leitos de UTI na região permanece acima de 90% e várias cidades já estão com sistema de saúde em colapso, com falta de leitos.