Vacina da Janssen não deve ser aplicada em grávidas e mães de recém nascidos, diz Anvisa

Foto: Reuters

O grupo de grávidas e puérperas deverá ser imunizado somente com doses da vacina Coronavac ou Pfizer

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) orientou a suspensão da aplicação de vacinas da Janssen e AstraZeneca/Oxford em grávidas e puérperas. A recomendação é que este grupo receba a vacina Coronavac, ou o imunizante da Pfizer.

Nesta quinta-feira (08), o Ministério da Saúde alertou que a exceção à recomendação é para as grávidas e puérperas que já tenham recebido uma primeira dose da vacina da AstraZeneca. Nestes casos, o ciclo vacinal deve ser completado com a aplicação da segunda dose com o imunizante do mesmo fabricante.

“Para as grávidas que tomaram a AstraZeneca, a orientação é a mesma: que após o puerpério seja feita a imunização com a mesma vacina e, com isso, completada a imunização”, disse o ministro Marcelo Queiroga.

Além disso, Queiroga assegurou que, nestes casos, a vigilância sanitária será reforçada de forma a “monitorar a possibilidade de eventos tardios que, embora raros, podem acontecer.”

O Ministério da Saúde incluiu grávidas e puérperas no Programa Nacional de Vacinação (PNI) no fim de abril deste ano. Porém, em maio, a pasta recomendou a suspensão temporária da vacinação de gestantes sem comorbidades depois da morte de uma mulher que havia recebido uma dose da AstraZeneca, no Rio de Janeiro.

*Com informações da Agência Brasil