Funcionários, sindicato e oposição se unem em protesto contra extinção da Proguaru

Foto: Michel Wakin/Guarulhos Online

A proposta de acabar com a empresa de economia mista foi encaminhada na quarta-feira (16) à Câmara Municipal

Servidores, sindicato e oposição se uniram na manhã desta quinta-feira (17) e realizam, desde às 9h, um protesto em frente à Câmara Municipal para que o projeto de lei que prevê a extinção da Proguaru não seja aprovado pelos vereadores da cidade.

A proposta foi enviada ao Legislativo Municipal pelo prefeito Guti (PSD) nesta quarta-feira (16) sob a alegação de que a medida é necessária para evitar que a empresa de economia mista entre em processo de falência.

O protesto que teve início em frente a sede da Proguaru, na Rua Arminda de Lima, onde o encontro dos manifestantes começou às 7h, partiu rumo à Câmara Municipal de Guarulhos, onde o PL será votado.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública Municipal (Stap), a Proguaru possui 4.700 funcionários, que em sua maioria, ganha o Piso de R$ 1.171,00 a R$ 1.200,00 (no caso dos ASGs – serviços gerais) ou de R$ 1.270,00 a R$ 1.300,00, para Agente de Portaria.

O Stap afirma que os responsáveis pelos maiores gasto são os funcionários que possuem cargos comissionados e de direção, com salários, de até R$ 7 mil.

O Vereador Maurício Brinquinho (PT) afirmou que o partido já se mobilizou para votar contra o projeto.

“Para extinguir a Proguaru, vai precisar do voto de todos os vereadores e vereadoras, a bancada do PT não vai votar favorável a isso, e nós vamos lutar para que isso não passe”.

A administração pública municipal disse por meio de nota, que estudos realizados pela Secretaria da Fazenda revelam que o custo anual da Proguaru está acima dos R$ 400 milhões, e que, além disso, a empresa acumula prejuízos desde 2013, que variam de R$ 97 milhões, em 2013, até valores superiores a R$ 200 milhões, como nos anos de 2018 e 2019.