Câmara de Guarulhos aprova extinção da Proguaru, veja como votou cada vereador

Foto: Nico Rodrigues

A ideia é entregar os serviços de zeladoria executados pela empresa à iniciativa privada

A Câmara Municipal de Guarulhos aprovou nesta sexta-feira (18) a extinção da Proguaru, em primeira e segunda votação. Foram 24 votos a favor e 09 contra o projeto proposto pelo executivo municipal. O Prefeito Guti (PSD) e sua equipe apontam economia de R$ 200 milhões por ano, com o fim da empresa pública.

Votos contra o projeto:

  • Janete Pietá (PT)
  • Zé Luis (PT)
  • Maurício Brinquinho (PT)
  • Marcelo Seminaldo (PT)
  • Rômulo Ornelas (PT)
  • Genilda Bernardes (PT)
  • Edmilson Souza (PSOL)
  • Laércio Sandes (DEM)
  • Rafa Zamprônio (PSDB)

Votos a favor do projeto:

  • Professor Jesus (Republicanos)
  • Eduardo Carneiro (Cidadania)
  • Eduardo Barreto (PROS)
  • Carol Ribeito (PSDB)
  • Ramos da Padaria (PSD)
  • Betinho Acredite (PTB)
  • Acácio Portela (Patriota)
  • Alexandre Dentista (PSD)
  • Eduardo Soltur (PSD)
  • Gilvan Passos (PSD)
  • João Barbosa (Republicanos)
  • João Dárcio (Podemos)
  • Lamé (MDB)
  • Lauri Rocha (PSD)
  • Luiz da Sede (PDD)
  • Moreira (PSL)
  • Paulo Roberto
  • Pastor Anistaldo (PSC)
  • Romildo Santos (PSD)
  • Sandra Gileno (Patriota)
  • Sérgio Magnum (Patriota)
  • Serjão Inovação (PSD)
  • Thiago Surfista (PSD)
  • Toninho da Farmácia (PSB)

No texto, foi aprovada uma emenda que aponta o fechamento da Proguaru somente após a apresentação de estudos que comprovem o risco de falência que supostamente corre a empresa. Pelo projeto, todas as medidas deverão ser adotadas até o dia 31 de dezembro de 2021 para o fechamento definitivo.

A proposta de encerrar as atividades da empresa, se dá diante dos prejuízos financeiros que vem sendo demostrados desde 2013, conforme aponta a prefeitura. O Conselho Administrativo da Proguaru já aprovou por unanimidade o processo de ruptura.

O próximo passo é o início do Programa de Demissão Voluntária (PDV) para os funcionários que optarem pelo desligamento consentido. Em 2018, o SAAE (Água e Esgoto) adotou a mesma medida e na ocasião mais de 50% dos funcionários aderiram ao formato.