Consulta pública sobre rio Baquirivu é marcada por pouca participação dos munícipes

Foto: Fabio Nunes/PMG

O teatro do Centro Municipal de Educação Adamastor, no Macedo, recebeu na manhã desta quinta-feira (28) consulta pública sobre o Programa de Macrodrenagem e Controle de Inundações do rio Baquirivu-Guaçu.

Com menos de uma hora de duração e sem a presença do público interessado, a primeira audiência pública sobre as obras do rio Baquirivu foi curta e bastante objetiva. No local havia pouquíssimas pessoas para acompanhar as decisões sobre os rumos do investimento milionário.

Na ocasião, o resumo do projeto foi apresentado pelo secretário de Obras de Guarulhos, Marco Antonio Guimarães. A intervenção visa reduzir em até 80% as enchentes na bacia do Baquirivu, beneficiando cerca de 300 mil pessoas diretamente e, indiretamente, todo o município.

“O foco do projeto é resolver o problema de enchentes na cidade, por isso abrange também os afluentes do Baquirivu, como os córregos Cocho Velho e Água Chata, no Pimentas, que possuem travessias muito antigas executadas com normas de até 40 anos atrás”, afirmou Guimarães.

Capitaneado pela Secretaria de Governo e elaborado pela Secretaria de Obras, o programa envolve ainda outras pastas da Prefeitura, como Meio Ambiente, Assistência Social, Habitação, Desenvolvimento Econômico, Educação, Saúde, Fazenda, Justiça e Transportes e Mobilidade Urbana, além da Procuradoria-Geral do Município.

O início das obras está previsto para o mês de maio.

Baquirivu-Guaçu

Integrante da unidade hidrográfica do Alto Tietê, a nascente do rio Baquirivu-Guaçu fica na cidade de Arujá, onde percorre 3 km até chegar a Guarulhos, passando pelos bairros Sadokim, Bonsucesso, Lavras, Jardim São João, Invernada, Jardim Bananal, Taboão, Vila Barros, Parque Cecap e Várzea do Palácio, até desaguar no rio Tietê, numa extensão aproximada de 21 km.