Indígenas de Guarulhos recebem primeira dose da vacina contra Covid-19

Foto: Marcela Vasconcelos/Guarulhos Online

A imunização de diversas etnias que vivem na cidade aconteceu nesta segunda (08) e terça (09) nas UBS Cabuçu e Soberana

Depois que a vacina contra a Covid-19 foi aprovada no Brasil, uma das primeiras imunizadas em São Paulo foi uma indígena da etnia Kaimbé. A imagem da agente de saúde, Vanusa Kaimbé moradora de Guarulhos, estampou os principais veículos de comunicação.

Para conhecimento dos desatentos, a cidade possui mais de 1.400 indígenas de 14 etnias diferentes, entre eles estão os pertencentes da Aldeia Filhos da Terra no Cabuçu. Mas em grande parte, os indígenas que vivem em Guarulhos estão inseridos em contexto urbano.

Isso significa que por todo o município há representantes dessas etnias indígenas espalhados por bairros de toda a cidade. Entretanto é nas regiões Pimentas e Soberana onde a maior parte deles mora, estuda e são assistidos pelo atendimento público de saúde.

Essas duas Unidades Básicas de Saúde são referência para atendimento deste público, cada uma delas é responsável por duas regiões de saúde da cidade. A UBS Cabuçu concentra moradores das regiões Centro e Cantareira, já a Soberana, das regiões São João e Pimentas.

Nesta segunda (08) no Cabuçu e terça (09) no Soberana, os indígenas espalhados pela cidade puderam receber a primeira dose do imunizante contra a Covid-19. A previsão de aplicação da segunda dose é para março, período estipulado pela vacina utilizada, a coronavac do Butantan.

Conquista de direitos sociais aos indígenas

Para o Cacique Alex Wera Kaimbé, a data foi um marco para os povos indígenas não só em São Paulo, mas no Brasil, já que foi possível reunir para vacinação centenas de pessoas. Apesar disso, o representante dos Kaimbé no estado relembra das lutas para que a ação ocorresse.

A luta referida por ele, assim como outros representantes indígenas de Guarulhos, trata-se do cumprimento de uma portaria municipal que garante atendimento aos povos indígenas. Apesar de ser direito, a legislação no Brasil garante cobertura somente aos que estão em aldeias.

Segundo Awa Were, do povo Tupi e Presidente da Associação Arte Nativa Indígena de Guarulhos, as reivindicações para os direitos dos povos indígenas urbanos são constantes. Segundo ele, são décadas de negociação com poder público para garantia de direitos sociais.

Mais de 90 doses foram destinadas para ação conforme cadastro prévio por meio do mapeamento do único agente de saúde indígena do município, Pedro Henrique Pancararé. O jovem rapaz é responsável pelo atendimento de toda população indígena de Guarulhos.

Conforme apurou a reportagem, cada frasco permite aplicação de 9 a 10 doses da vacina, segundo informou uma enfermeira responsável pelas aplicações. De acordo com os organizadores, foram mais de 100 pessoas em busca da vacina só na UBS Soberana.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde foram imunizados 33 indígenas na Aldeia Filhos da Terra, 53 na UBS Cabuçu e 113 na UBS Soberana. A previsão da aplicação da segunda dose é em 01 e 02 de março na UBS Cabuçu e na UBS Soberana e em 03 de maio na aldeia.

*Atualizada às 19h42 de 10/02