UTIs em Guarulhos passam de 90% de ocupação; cidade negocia leitos em hospitais privados para Covid-19

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Guarulhos superou nesta quinta-feira (04) o índice de 90% na taxa de ocupação nos leitos de UTI e enfermaria destinados à Covid-19. Há algumas semanas, sem fazer lives nas redes sociais, o Prefeito Guti (PSD) voltou às transmissões hoje para elencar as novas medidas que a cidade terá que enfrentar nos próximos 14 dias.

Este período já é considerado pelos especialistas médicos, o pior cenário da pandemia desde o primeiro caso registrado no Brasil em 26 de fevereiro de 2020. Um ano depois, da confirmação, a doença chega a segunda onda de contaminações, com índices cada vez mais altos.

Mesmo assim, Guti afirmou que discorda de algumas restrições do Plano São Paulo, como a limitação de horário para funcionamento, ao contrário do que ele defendeu no período de natal, em que houve um período maior de funcionamento como forma de evitar aglomerações.

Entretanto, por imposição jurídica, o município deve seguir o que preconiza as regras do Plano São Paulo. Desta forma, o prefeito disse que prepara uma articulação com as forças de segurança municipal e estadual para coibir festas clandestinas, bailes, shows e pancadões.

Ainda de acordo com Guti, como forma de tentar respaldar hospitais públicos, a administração municipal deve fechar na semana que vem, contrato com pelo menos um hospital privado. A unidade receberá pacientes do SUS com Covid-19 e que necessitem de internação.

Desde a semana passada, Guarulhos e demais cidades do Alto Tietê cobram do Governo do Estado, a instalação de novos leitos para a doença na região. Nesta sexta-feira (05) os prefeitos vão solicitar novamente ao Secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi.

Nesta semana, Guti e outros 617 prefeitos participaram de reunião João Doria (PSDB) que teve como objetivo selar acordo entre as esferas diante de medidas mais restritivas. O Estado informou que mais 5 mil novos leitos serão entregues aos munícipios a partir de 08 de março.

Porém, o número que ficará disponível para Guarulhos e Alto Tietê não foi divulgado. Na live desta quinta, Guti voltou a dizer que descarta a montagem de um hospital de campanha. Segundo considerou o prefeito, a segunda onda será mais rápida, apesar de ser mais letal.

Para enfrentamento do período, prefeito e o secretário de saúde, Dr. José Mário disseram que é possível fazer atendimento por meio de contratação de leitos por período. Cada leito de UTI custa aos cofres públicos em torno de R$2 mil UTI e cada leito de enfermaria R$1.500 a diária.