Você acha que tem cultura em Guarulhos?

Foto: Reprodução/GuarulhosCultural

O site foi criado em 2021 com objetivo de reunir o melhor da cultura guarulhense em eventos, palestras e encontros de diversos segmentos

A dupla Carla Maio e Vitor Souza mantém o projeto que é uma vitrine para artistas independentes de Guarulhos, e que produz semanalmente um Agenda Cultural. O Guarulhos Online entrevistou os idealizadores do Guarulhos Cultural e você confere a seguir:

Foto: Carla Maio e Vitor Souza/Reprodução Arquivo Pessoal

GO: De onde partiu o desejo de tocar uma vitrine cultural para artistas e eventos? 

GC: Criar um espaço de referência para o jornalismo cultural foi a primeira maneira que encontramos para garantir uma comunicação consistente sobre o que está sendo pensado e realizado na cidade. A arte acontece no encontro entre o artista e o público. 

Quando olhamos para as propostas artísticas na cidade, vemos que existe uma enorme conexão entre os fazedores de cultura e as pessoas que vivem e transitam por aqui. Também é um segmento muito distribuído, com projetos acontecendo simultaneamente em todos os bairros, em diversas áreas. 

Quando conversamos com os moradores e mesmo com os fazedores de cultura, vimos que existiam poucos espaços que concentram uma agenda de atividades ou mesmo a produção de conteúdo jornalísticos que pudessem dar visibilidade ao que era feito na cidade.

Dentro da própria Prefeitura existe esse trabalho, mas naturalmente só se encaixam os projetos que possuem algum tipo de vínculo com o poder público. Fizemos isso de forma independente, justamente para garantir que o espaço esteja disponível para todos. 

Vivemos em um momento de tanta segmentação e achamos que a cultura tem o papel de garantir o pertencimento e a conexão entre todos. Nossa ideia é unir a cidade de Guarulhos através da cultura. 

GO: Como a trajetória de ambos no setor cultural possibilita descobrir novos artistas e projetos, podemos dizer que Guarulhos é uma cidade forte nesse setor? 

GC: Guarulhos é uma cidade extremamente potente quando se analisa o setor cultural, pois ela tem uma geografia que mantém muita diversidade artística, um número enorme de fazedores de cultura, tem também uma história riquíssima relacionada ao patrimônio e as manifestações populares, além de uma consistente produção em diversos segmentos, das orquestras ao grafite. 

Nos últimos anos, ela vem também passando por algumas reestruturações dentro de suas práticas culturais. Teve a inauguração do SESC, a aprovação do primeiro Plano de Cultura da Cidade e um financiamento emergencial ocasionado pela Lei Aldir Blanc que injetou em meio a pandemia mais de 8,5 milhões de reais no setor. 

Tudo isso contribui muito para que exista uma clareza dos caminhos a seguir. Quanto a nós dois (Vitor Souza e Carla Maio), transitamos por meio da produção cultural da cidade, mas existem muitos espaços que ainda não chegamos.

Esperamos que com o desenvolvimento da Guarulhos Cultural seja possível um mapeamento mais claro de tudo o que a cidade oferece em termos de produção artística.  

GO: O objetivo principal do projeto é visibilizar artistas independentes que estão inseridos na cidade ou a divulgação é abrangente? 

GC: Não somente. Entendemos que a cultura deve ser trabalhada sempre em um sistema contínuo onde um projeto acaba alimentando o outro. Quanto mais trabalho de formação a cidade tiver, mais profissionais ela irá garantir no desenvolvimento de suas atividades. 

Da mesma forma, quando um grande show vem para a cidade, ele garante emprego e renda para uma série de profissionais que atuam dentro do setor. O público que vai até o SESC assistir a uma palestra possui muito mais probabilidade de ver um sarau na Biblioteca Monteiro Lobado e de comprar uma camiseta do Projeto TEAR. Cultura sempre gera mais cultura. Então, não fazemos qualquer distinção neste sentido.  

GO: Por que vocês decidiram destinar parte dos recursos financeiros do Guarulhos Cultural para o FunCultura, visto que se apresentam como um projeto independente? 

GC: Nossa ideia é fomentar a arte na cidade e acreditamos que parte do sucesso desta iniciativa depende diretamente do fomento na base da produção artística. Os recursos da Guarulhos Cultural podem vir de diversas fontes como anúncios, assessorias, consultorias, formações. 

Em todos esses casos, 20% do valor recebido nós iremos depositar na conta do Funcultura para que a cidade possa fomentar novos projetos. Nosso faturamento ainda é simbólico, mas esperamos também de forma indireta que nossa ação possa estimular também outras empresas a terem a mesma iniciativa. 

Nos parece claro que quanto mais atividades culturais na cidade, maior será o faturamento de empresas de alimentação, hotelaria, transporte. Uma de nossas crenças é justamente o poder que a cultura possui no desenvolvimento econômico, social e educacional da sociedade, e nem todas as iniciativas precisam partir do poder público.  

Enquanto sociedade, podemos apoiar mecanismos existentes e esperamos verdadeiramente que nossa contribuição possa garantir a realização de novos editais para a cidade. Ainda que simbólico, sabemos que existem muitas ações que podem contribuir com esse financiamento.

0Imagine se cada restaurante, além dos 10% do garçom, colocasse uma contribuição voluntária de 1 real por pedido para o fomento à cultura da cidade. Ou um prato do menu que o valor é revertido para o fundo.

Em outros segmentos, se a cada passagem de táxi do aeroporto ficasse 10 centavos para o fomento da cultura. Não precisamos de leis que façam isso. É só a sociedade observar o impacto que isso tem a longo prazo para o desenvolvimento da cidade. Os mecanismos já existem. 

GO: A dupla vislumbra promoção de eventos online e mais e quando for possível, festivais presenciais de promoção de cultura independente? 

GC: Com toda a certeza. A Lei Aldir Blanc já garantiu a realização de diversas atividades de forma remota e garantiu um cenário muito interessante dentro da produção cultural da cidade. A Guarulhos Cultural surgiu nesse contexto, mas foi projetada para contribuir com o desenvolvimento cultural a longo prazo. 

Acreditamos sim que estaremos presentes e contribuindo na promoção de muitas atividades que fomentem o desenvolvimento da cultura da cidade, seja através de festivais, prêmios, publicações ou qualquer outro formato que se apresente. 

Estamos também de olho em novas tecnologias e inovações para o setor. Queremos sempre poder somar e contribuir para que todos possam trabalhar em prol da cultura. E nossas portas sempre estarão abertas para quem também acreditar nesse caminho.

Acesse

Para saber tudo sobre o Guarulhos Cultural acesse este link e curta a programação especial preparada pela dupla sobre o que acontece na cidade no segmento cultural.